Tempo
|
A+ / A-

​A pandemia e as suas lições - a visão da Igreja portuguesa

Bispo de Coimbra. “Poderes públicos têm de olhar para as IPSS como um parceiro"

07 jun, 2021 - 06:12 • Henrique Cunha

D. Virgílio Antunes defende melhorias na qualidade da relação entre o Estado e as instituições particulares de solidariedade social (IPSS) e sugere que “os poderes públicos têm de olhar para as instituições como um parceiro e nunca como um concorrente”.​ Em entrevista à Renascença, o bispo de Coimbra encontra na solidariedade e na humildade duas das grandes lições a retirar da pandemia e destaca a solidão como um dos fatores mais duros da crise sanitária.

A+ / A-

O bispo de Coimbra defende que “os poderes públicos têm de olhar para as IPSS [instituições particulares de solidariedade social] como um parceiro e nunca como um concorrente”.

"Pode haver a tendência de empurrar para as instituições particulares grande parte de uma responsabilidade que cabe ao Estado, sem que este coloque à disposição, através dos acordos estabelecidos, o financiamento que as instituições necessitam para realizar de forma adequada a essa missão”, afirma D. Virgílio Antunes

O financiamento "nem sempre é suficiente.”

O bispo retoma a ideia de uma cooperação estratégica, dado que “as IPSS prestam um serviço à comunidade humana que cabe, de algum modo, ao Estado prestar, mas que, naturalmente, pode e deve ser potenciado através de parcerias, para que o serviço seja de maior proximidade e até para que não se crie uma máquina do Estado presente em todos os lugares e situações”.

"As IPSS prestam um serviço à comunidade humana que cabe, de algum modo, ao Estado prestar”

O bispo de Coimbra alude à necessidade de "dar atenção a todas aquelas instituições que vivem numa situação de grande dificuldade”, uma vez que "algumas, sobretudo as de menor dimensão, correm o risco de insolvência, por não terem capacidade para dar continuidade aos seus projetos”.

Ainda que o bispo aplauda o esforço de muitas instituições que “tiveram de se reinventar para fazer face aos parcos orçamentos”, a verdade é que, de um modo geral, "estão sem margem e sem folga, como todos sabemos, por um conjunto de circunstâncias que se têm vindo a agravar ao longo dos últimos anos e que agora foram reforçadas com a pandemia”.

“Reinventar significa que as pessoas colocam uma boa parte da sua vida ao serviço, fazendo o que às vezes parecia impossível fazer, conseguindo com generosidade e com boa vontade dar a volta à situação”, esclarece o bispo.

Lição n.º 1: "Em primeiro lugar está a missão”

D. Virgílio Antunes garante que na Igreja de Coimbra não há qualquer "obsessão por essa questão económico-financeira, embora se tenha verificado uma redução em todas as instituições, pois não houve a participação tão ativa dos fiéis, não houve um conjunto de ações, não foi possível a própria realização das festas e romarias que são, como sabemos, nalguns casos praticamente o único meio de financiamento das comunidades paróquias, ou das capelas ou de outras instituições”.

"Estamos com algumas dificuldades como todas as instituições, mas, felizmente, estamos tranquilos e o povo de Deus sabe muito bem que em primeiro lugar está o anuncio do Evangelho, está o culto divino, e que toda a economia e finanças hão-de estar ao serviço da missão e não ao contrário”, declara.

"Muito mais importante do que as questões económico-financeiras das instituições da Igreja é a missão da Igreja é o estar presente nos lugares em que deve estar, é estar com as pessoas que precisam do anúncio, que precisam da ação, que precisam da presença”, sublinha.

Na caracterização socioeconómica da região, D. Virgílio admite que “a situação é difícil em toda a parte e Coimbra não é exceção”, havendo "muitas pessoas que, com a pandemia, viram os seus rendimentos reduzidos, quando tinham uma vida organizada com os seus compromissos, com os financiamentos da banca para a compra de casa".

"De um momento para o outro, muitos viram a vida, de facto, muito transtornada”, reforça, destacando que o problema "atingiu tanto os indivíduos como as próprias empresas, que têm a sua situação muito complicada, porque não pode resolver-se tudo de um dia para o outro”, diz.

"O mais difícil foi a solidão das pessoas, foi sentir que havia pessoas a sofrer”

O bispo de Coimbra faz questão de garantir que “do ponto de vista da solidariedade, o povo português tem uma capacidade imensa de olhar de uma forma compadecida, amorosa e caritativa para o seu próximo, condoendo-se quando vê alguém a sofrer, alguém com necessidades, e ainda bem que assim é."

Neste quadro, "tem havido uma resposta muito esforçada da parte das pessoas, das famílias e das instituições de ação social e caritativa, que se reinventaram, que se refizeram, às vezes com pouquíssimos meios disponíveis com já tudo muito contado, mas que não baixaram os braços, do ponto de vista humano e do ponto de vista financeiro para procurar socorrer todos aqueles que estavam e estão em necessidade”.

D. Virgílio Antunes não nega que a pandemia “agravou situações já existentes” e destaca que “os centros sociais paroquiais, as conferências vicentinas, os grupos Cáritas paroquiais, a própria Cáritas diocesana e tantas outras IPSS de matiz cristã ou, simplesmente, humanitária estão a fazer um trabalho imenso, juntamente com os próprios municípios”.

"A nossa memória é sempre muito curta (...) não podemos permitir que nos falte a memória dos acontecimentos mais positivos e mais negativos"

“Há um trabalho muito grande e concertado que não resolve sempre todas as dificuldades e problemas, mas que, quando há um caso que se deteta, felizmente há pessoas e disponibilidades para resolver."

Lição n.º 2: Ação pastoral e vida social lado a lado

O bispo de Coimbra não consegue dissociar a questão pastoral da social, na vivência pandémica. Para D. Virgílio Antunes, “o mais difícil foi a solidão das pessoas, foi sentir que havia pessoas a sofrer e com uma confiança e uma esperança muito postas em causa, algumas até no campo da fé”.

"É evidente que são tudo questões que se cruzam e que nos fazem sentir com os outros todos os momentos”, acrescenta.

“Considerando que a vivencia da fé e ação pastoral são uma dimensão essencial da vida da Igreja e que a economia e as condições de vida são condições essenciais da vida da Igreja, não conseguiria separar muito uma realidade da outra, porque ambas tocam no coração das pessoas. Portanto, é uma realidade que atingiu a pessoa no seu todo, atingiu a pessoa crente e a não crente”, sublinha D. Virgílio.

O bispo revela que no inicio da crise foi evidente um sentimento forte “pela impossibilidade de celebrarmos a liturgia e o culto nas condições habituais, assim como a impossibilidade de realizarmos ações de evangelização e catequese”.

"Algumas pessoas tiveram muita dificuldade em aceitar, tendo depois acabado por perceber que era uma inevitabilidade e que era um serviço maior a toda a comunidade humana e à saúde publica”, recorda.

“As pessoas perceberam a razão de ser até porque muitas outras áreas da vida da sociedade e do mundo laboral também ficaram privados”, acrescenta o bispo sem deixar, contudo, de lamentar a possibilidade de este ano também ficar comprometida a celebração dos 750 anos do nascimento de Isabel de Aragão, princesa, Rainha de Portugal e agora padroeira da cidade de Coimbra.

"Já no ano passado ficou comprometida, de algum modo, a celebração que é sempre festiva, que é popular”, lamenta D. Virgílio, "Este ano também temos com certeza limitadas as possibilidades, uma vez que não se podem realizar as habituais procissões grandiosas que são essas manifestações de piedade popular tão enraizadas na vida dos cristãos e, concretamente, do povo português e aqui da cidade e da região de Coimbra”.

"Vamos sair mais fortes na fé”

Ainda assim, o prelado garante que “não vai diminuir por isso, nem a devoção nem o interesse de todos aqueles que tem na rainha Santa Isabel uma protetora, uma advogada e uma santa como modelo para as suas vidas”, pois “haverá as outras formas de celebrar mais simples, mas até mais centradas naquilo que é o essencial”.

Lição n.º 3: "Vamos sair mais fortes na fé”

Feita a avaliação de todos os fatores, o bispo de Coimbra reconhece que, com a pandemia “a situação mudou muito e, do ponto de vista numérico, da participação e da presença dos fiéis, não vai ficar como estava antes”.

No entanto, D, Virgílio está convencido de que “o problema não vem só da pandemia”, já se verificava. Com a crise sanitária, “aproveitaram-se e condições e criaram-se outras que permitiram que o processo se desenvolvesse mais rapidamente, porque nós estamos numa situação acelerada de definição daquilo que é a adesão à fé, daquilo que são as convicções de fé, daquilo que é a participação na vida da Igreja”.

"Muito mais importante do que as questões económico-financeiras das instituições da Igreja é a missão da Igreja”

O prelado entende, contudo, que “vamos sair mais fortes na fé” porque a pandemia também criou inquietações “não só aos cristãos, mas também a muitas outras pessoas que sentiram um certo abanão interior, que as leva a pôr um conjunto de questões fundamentais”.

“Não digo que sejam já questões relacionadas com a fé, mas que são um caminho porventura em muitos casos para a fé”, esclarece.

"Há caminhos que foram percorridos e que estamos a percorrer e que vamos continuar a percorrer que são de procura, que são daquilo a que chamados uma sede, sede de algo, sede de alguém, e que, em muitos casos, se clarifica que é uma sede de Deus, uma sede de sobrenatural, uma sede de infinito, uma sede de resposta de eternidade, e de presente, vivida de uma outra forma, e que tudo isto é conjunto de possibilidades e de aberturas para a evangelização."

Lição n.º 4: “Devemos sentir-nos mais humildes e solidários”

O bispo de Coimbra entende que a pandemia nos obriga a “estar disponíveis para o imprevisível” e, por outro lado, fez-nos sentir “muito humildes, diante daquilo que somos, diante da realidade que vivemos, diante do mundo que é o nosso”.

"Devemos caminhar com humildade inclusivamente uns diante dos outros”, preconiza.

“Este sentido da humildade vai marcar-nos, sabendo que afinal como diz a expressão bíblica, vimos da terra e para a terra voltamos”, afirma.

A outra lição fundamental desta pandemia é, de acordo com D, Virgílio Antunes, “a importância da solidariedade, da solidariedade entre as pessoas e entre os povos”.

D. Virgílio sublinha que “a atenção aos outros, que é uma matriz fundamental da nossa condição humana e da nossa condição cristã, precisa de continuar a ser redescoberta e precisamos de estar muito atentos a esta dimensão da solidariedade, em primeiro, numa escala pequena e dentro da vizinhança; depois, evidentemente, à própria escala universal”.

"Devemos caminhar com humildade, inclusivamente uns diante dos outros”

O prelado refere que “há caminhos que vão ficar abertos” que podem ser desbravados através da evangelização, pois “do ponto de vista da vivência da fé, é o caminho da evangelização que é central e que tem de superar tudo aquilo que são os condicionalismos da história, da tradição, da envolvência social”.

“A evangelização tem de envolver tudo isso e tem de ser capaz de superar tudo isso para fazer discípulos de Jesus Cristo e membros da Igreja”, reforça.

Lição n.º 5: “As lições não são para hoje, são para o futuro”

O bispo de Coimbra não tem dúvidas de que “a nossa memória é sempre muito curta”, como provam “tantos acontecimentos do séc. XX e já no séc. XXI, como as guerras mundiais, as perseguições, os holocaustos e tantos outros aspetos tão trágicos e tão negativos que passamos por cima deles quase como se tivessem sido realizados na pré-história e não num tempo em que a humanidade já tinha feito um caminho de crescimento e de grande desenvolvimento”.

"Parece que o caminho está a ser trilhado com os cuidados devidos, com a vacinação e com a testagem a funcionar"

D. Virgílio Antunes aponta também a existência de "aspetos positivos que rapidamente foram esquecidos”, dandoo exemplo do que se passou na Igreja, onde “caminhos que foram feitos pela própria igreja, por exemplo, o do Concilio Vaticano II, por vezes também nos parecem uma coisa já de uns tempos tão recuados como se não fosse uma realidade da vida presente da Igreja”.

“Não podemos permitir que nos falte a memória dos acontecimentos mais positivos e mais negativos relativos a este tempo de pandemia, porque as lições não são para hoje, são para o futuro”, acrescenta o bispo, deixando uma mensagem de apelo ao trabalho “para que esta situação se ultrapasse de forma rápida e segura”, embora “estes dois termos, às vezes, não casem muito bem um com o outro".

"Vamos ter de trabalhar para isso e, felizmente, parece que o caminho está a ser trilhado com os cuidados devidos, com a vacinação e com a testagem a funcionar", aponta.

"Vamos guardar as boas memórias e também procurar reter os aspetos negativos a corrigir, acreditando que vamos sair daqui com um coração fortalecido, com um ânimo maior e decididos a empreender caminhos, porventura, nalguns aspetos, muitos diferentes daqueles que percorríamos no passado, marcados pela confiança e pela esperança de que o presente e o futuro estão aí”, remata o bispo de Coimbra.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+