Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

"Retrocesso sem precedentes". Bispos manifestam “tristeza e indignação” com aprovação da eutanásia

29 jan, 2021 - 15:51 • Ricardo Vieira

A Conferência Episcopal reforça que a eutanásia viola a Constituição da República Portuguesa, por “ofender o princípio da inviolabilidade da vida humana”, e terá ainda de ser “sujeita a fiscalização”. Bispos prometem “reagir energicamente” à legalização e reforçam o propósito de “acompanhar com solicitude e amor todos os doentes".

A+ / A-

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) manifesta a sua “tristeza e indignação” com a aprovação pela Assembleia da República da lei que autoriza a eutanásia e o suicídio assistido, que consideram um "retrocesso cultural sem precedentes".

Os bispos portugueses referem, em comunicado, que esse sentimento é agravado pelo facto de se “legalizar uma forma de morte provocada no momento do maior agravamento de uma pandemia mortífera, em que todos queremos empenhar-nos em salvar o maior número de vidas”.

“É um contrassenso legalizar a morte provocada neste contexto, recusando as lições que esta pandemia nos tem dado sobre o valor precioso da vida humana, que a comunidade em geral e nomeadamente os profissionais de saúde tentam salvar de modo sobre-humano”, sublinha a CEP.

A Conferência Episcopal reforça que a eutanásia viola a Constituição da República Portuguesa, por “ofender o princípio da inviolabilidade da vida humana”, e terá ainda de ser “sujeita a fiscalização”.

“Não podemos aceitar que a morte provocada seja resposta à doença e ao sofrimento”, defendem os bispos, na mesma nota.


“Aceitar que o seja é desistir de combater e aliviar o sofrimento e veicular a ideia errada de que a vida marcada pela doença e pelo sofrimento deixa de merecer proteção e se torna um peso para o próprio, para os que o rodeiam, para os serviços de saúde e para a sociedade no seu todo”, assinalam.

A sociedade nunca poderá “desistir de combater e aliviar o sofrimento, físico, psicológico ou existencial”, refere a CEP, “e aceitar que a morte provocada seja resposta para essas situações”.

Pelo contrário, a resposta à doença e ao sofrimento deverá ser “a proteção da vida sobretudo quando ela é mais frágil por todos os meios e, nomeadamente pelo acesso aos cuidados paliativos, de que a maioria da população portuguesa está ainda privada”.

A Conferência Episcopal defende que a legalização da eutanásia em Portugal, além de representar uma “política legislativa lesiva da dignidade de toda a vida humana”, é também um “retrocesso cultural sem precedentes, caraterizado pela absolutização da autonomia e autodeterminação da pessoa”.

Os bispos portugueses prometem “reagir energicamente” e reforçam o propósito de “acompanhar com solicitude e amor todos os doentes, em todas as etapas da sua vida terrena e, de modo especial, na sua etapa final”.

Foi aprovado esta sexta-feira no Parlamento o diploma que legaliza a eutanásia em Portugal, em votação final global.

O Parlamento registou 136 votos a favor, 78 contra e quatro abstenções (duas do PSD e duas do PS).

Aprovada legalização da eutanásia em Portugal
Aprovada legalização da eutanásia em Portugal. Veja as reações dos partidos
Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo outra vez
    29 jan, 2021 País inteiro 19:44
    Para os nossos avós idosos que tanto se sacrificaram por nós, os que conseguirem sobreviver à COVID-19, os deputados vão matá-los com eutanásia. Pois é, despois CHEGA! (de que se admiram?)

Destaques V+