Tempo
|
A+ / A-

​ENTREVISTA RENASCENÇA/ECCLESIA

“Que a nova encíclica do Papa seja um apelo muito veemente a continuar a Doutrina Social da Igreja"

02 out, 2020 - 07:00 • Ângela Roque (Renascença), Octávio Carmo (Ecclesia)

Na véspera de ser conhecida a nova encíclica do Papa, a Renascença e a Ecclesia conversam com José Manuel Pereira de Almeida. Vice-reitor da UCP, ligado à Pastoral Social, acredita que em contexto de pandemia, e face à ameaça dos populismos, o documento deve valorizar o papel da política na construção de novo paradigma de desenvolvimento.

A+ / A-

A nova encíclica do Papa ‘Fratelli Tutti’ (‘Todos irmãos’) vai ser conhecida este fim de semana: o Papa irá assiná-la sábado, em Assis, para ser publicada domingo, dia de S. Francisco. Do que já é público, sabe-se que será dedicada à ‘Fraternidade’ e à ‘Amizade Social’. Mas que valores são estes e que importância tem falar deles no atual contexto de pandemia?

Em entrevista à Renascença e à agência Ecclesia, o padre José Manuel Pereira de Almeida, vice-reitor da Universidade Católica, secretário da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana, e ligado também à Cáritas e à Comissão Nacional Justiça e Paz, fala da coerência de pensamento e de gestos do Papa, para explicar porque razão acredita que a nova encíclica será um “bom complemento” a documentos anteriores, e que dará “passos em frente” em relação a vários temas.

Espera, em particular, que desenvolva o conceito teológico do “amor político”, e do que é estar ao serviço do bem comum, “não esmagando nem descartando ninguém”. É isso que defende, afinal, a Doutrina Social da Igreja, que é tudo menos “cristalizada e estática”, e deve ser mais divulgada. Esta, diz, é a altura certa para isso.

‘Irmãos e irmãs’ foram as primeiras palavras do Papa Francisco quando se dirigiu aos fiéis na praça de São Pedro, depois de ter sido eleito, em 2013. Publicar uma nova encíclica dedicada à fraternidade e ao amor ao próximo, mostra a importância que o Papa dá às palavras, mas sobretudo ao que elas significam, e como devem ser interiorizadas? Podemos concluir isso, não conhecendo ainda o texto?

Absolutamente. De resto, o Papa ao escolher o nome de Francisco já disse muitas coisas, e foi uma clara novidade nessa altura. Lembro-me bem que estava a celebrar missa às sete da tarde, em Santa Isabel, tive de começar antes de se saber quem era o Papa, combinei que depois me levavam a indicação, e perguntei a quem me levava o papelinho: 'Francisco?'. De facto, Francisco de Assis tem dado as mãos ao Papa Francisco, e vice-versa, neste percurso que já vai longo, graças a Deus, de inovação e de criatividade pastoral.

Estamos à espera da segunda encíclica 100% feita pelo Papa Francisco. A primeira ‘Lumen Fidei’ ('Luz da Fé') tem ainda muita reflexão escrita pelo Papa Bento XVI. Em 2015, quando é publicada a 'Laudato Si', o mundo preparava-se para uma conferência sobre as alterações climáticas, que deu origem ao Acordo de Paris. Num mundo em pandemia, numa transformação imprevista, qual é a importância de apresentar conceitos fundamentais como fraternidade e amizade social? Temos aqui um Papa mais uma vez atento às necessidades do momento?

Como tem sido em todos os seus pronunciamentos. Há aqueles momentos únicos e inesquecíveis de uma Semana Santa e de uma Páscoa vivida em Roma, e no mundo inteiro, de maneira completamente diferente, e depois as várias intervenções do Papa nesse sentido. Espera-se que a encíclica continue a desenvolver este pensamento acerca da fraternidade, que em São Francisco de Assis é tão luminoso, porque de facto ele quer ser irmão de todos, e o Papa Francisco também, e convida-nos a essa atitude. A pandemia é o lugar crítico para eu perceber se, de facto, o outro é o ‘inferno’ para mim, à maneira existencialista de Sartre, ou se me protejo para cuidar do outro, para proteger o outro, para dar atenção a esse que é meu irmão e minha irmã.


"O Papa tem procurado a atenção ao povo e não ao populismo, e isso tem sido bastante manifesto em vários textos"


Nessa atenção permanente à atualidade, logo em 2013 a primeira deslocação do Papa foi a Lampedusa…

E não foi por acaso.

Foi para condenar a ‘globalização da indiferença’, colocando a questão vinda do próprio Deus: 'Onde está o teu irmão?'. O que é o 'irmão' no pensamento social católico? Reconhecer no outro o rosto de Jesus que sofre é um conceito que só os cristãos entendem?

Não, creio que exatamente ultrapassa as fronteiras de um cristianismo que se entende em autorreferencialidade, que também é uma coisa que o Papa nos desafia a eliminar. A atenção ao Mediterrâneo tem sido recorrente. Recordo-me que a ida a Bari (Itália) e essa atenção à questão das migrações foi muito importante, e sob o ponto de vista teológico a ida à Faculdade de Teologia de Nápoles, à secção S. Luís, que é confiada à Companhia de Jesus, em que sob o ponto de vista teológico era exatamente a atenção aos náufragos como irmãos e irmãs por quem tínhamos que dar a vida. Ou seja, o que é isto de dar a vida, dar atenção ao outro? É tanto quanto de mim depende, fazê-lo viver, portanto, essa é a atitude em relação a um irmão.

Estão ligadas a essa reflexão as sucessivas mensagens do Papa sobre os populismos e os discursos xenófobos, racistas. O Papa tem sido compreendido nesta sua preocupação?

Digam-me os senhores, que são jornalistas. Eu suponho que não tem sido acolhido tão longe quanto gostaríamos. Basta ouvir o bocadinho que eu ouvi - e já me chegou - do debate para as eleições americanas (entre Donald Trump e Joe Biden) para percebermos que estamos num momento, de facto, difícil, um momento de facto, sob o ponto de vista da política internacional, crucial. O Papa tem procurado a atenção ao povo e não ao populismo, e isso tem sido bastante manifesto em vários textos.

E vai pondo o dedo na ferida em questões sempre relevantes, como se viu no recente discurso às Nações Unidas…

Claro, é um Papa que está muito atento e tem uma bela equipa. Toda a gente sabe que as encíclicas não são escritas numa tarde ou manhã...

Nem os documentos pontifícios em geral...

E ele contou isso muito bem na 'Laudato Si', com a contribuição do cardeal Turkson e do então Conselho Pontifício Justiça e Paz, e agora com o grande Dicastério dedicado às questões sociais e às migrações, como nós temos aqui a comissão episcopal que traduz, em ponto pequenino, essa atenção.

A marcar as últimas décadas tem estado a questão da globalização, e a forma como sucessivamente os vários Papas vão olhando para ela. Nesta proposta de fraternidade do Papa Francisco, do respeito pela dignidade de cada pessoa e de cada comunidade, há uma espécie de visão alternativa ao globalismo sem rumo e muito individualista, que se tornou ainda mais visível na pandemia. É importante centrarmos o olhar nesta proposta como ponto de partida para a reconstrução de um paradigma?

E de uma globalização que seja verdadeiramente de rosto humano, como no texto 'Querida Amazónia', percebe-se que há que salvar as realidades culturais. O Papa chamava a atenção aos participantes franceses que trabalhavam na 'Laudato Si', e que no início de setembro estiveram em Roma, de que entre nós, ocidentais, se tinha perdido aquela relação entre o pensar, o sentir e o fazer: pensar e sentir como fazemos, fazer como pensamos e sentimos, e sentir como pensamos e fazemos. E ele chama a atenção: temos de voltar a essa interioridade que todos temos, mas que fazemos de conta que não, que ignoramos.

Eu espero que esta encíclica seja - de uma forma luminosa, como os textos do Papa são - um apelo muito veemente a continuar o que tem sido a Doutrina Social da Igreja. Quando se fala em globalização, fala-se logo no Papa Paulo VI, que fala de uma forma evidente dessa dimensão na ‘Populorum Progressio’ (1967) e naEvangelii Nuntiandi’ (1975), e que depois o Papa João Paulo II desenvolve muitíssimo na ‘Sollicitudo Rei Socialis’ (1987), e por aí fora…

Essa ideia da responsabilidade coletiva pelo desenvolvimento de cada povo...

Exatamente. Todos somos responsáveis por todos, é a citação que ele faz de Dostoiévski, embora não citando - nessa altura não se citavam em pé de página os autores que não eram os padres da Igreja...


"Espero que esta encíclica seja - de uma forma luminosa, como os textos do Papa são - um apelo muito veemente a continuar o que tem sido a Doutrina Social da Igreja"

O Papa Francisco tem deixado muitas críticas ao atual modelo económico. Convocou, de resto, o encontro 'A Economia de Francisco' – em cuja preparação a UCP tem estado muito envolvida – para pensar um novo modelo. Terá lugar em novembro em meio virtual, com a participação de jovens do mundo inteiro. Que economia é preciso pensar para o pós-pandemia?

O Papa disse recentemente que esta economia que temos - a 'economia que mata' foi num documento logo inicial (exortação Evangelii Gaudium, em 2013) - é responsável pelas desigualdades existentes, e que não se pode esperar que seja esta economia que vai salvar o mundo no pós-pandemia, em que ou ficamos piores ou melhores, não ficamos iguais. E para ficarmos melhor - ou seja, mais irmãos e mais atentos, com uma Casa Comum mais habitável por nós e pelas gerações futuras - a economia tem de ter no centro nunca o lucro, mas as pessoas, as comunidades e a vida, tornar o planeta mais habitável.

A Doutrina Social da Igreja tem acompanhado, nas últimas décadas, os acontecimentos que mudaram a história e a organização social. O pensamento cristão, neste campo, vai ter de incorporar novos elementos que a Covid-19 nos mostrou?

Certamente. Em cada mal há sempre uns bens, espera-se, e esta é uma seguramente uma situação de crise… Quando se fala em Doutrina Social cristã, a palavra doutrina pode lembrar uma coisa cristalizada e estática. Ora, é tudo menos isso. Até se tem proposto mais a ideia de Pensamento Social ou, como dizem os ingleses, Ensinamento Social, que tem uma historicidade. Entre aquilo que Leão XIII (Papa de 1878 a 1903) diz, e muito bem, e hoje, há muitas coisas que vão mudando.

O grande salto, muito interessante, dá-se com o Concílio Vaticano II (1962-1965); depois, até nem se chamou muito Doutrina Social da Igreja, só o Papa João Paulo II é que volta a introduzir o tema e propõe o Compêndio. Depois dos 100 anos da Doutrina Social da Igreja (após a publicação da ‘Rerum Novarum’, de Leão XIII, em 1891), que de algum modo fazem um corpo de doutrina, há um ressalvar, com o Papa Bento XVI, acerca da caridade, que é a vida de Deus e a nossa vida, também (Encíclica ‘Caritas in veritate’, 2009), e a ‘Laudato Si’ (2005) que, como o próprio texto diz, se inscreve nesta tradição da Doutrina Social da Igreja.

Esta esta nova encíclica, esperamos, será na continuidade da ‘Laudato Si’, com um passo à frente, que antevemos nos diálogos no encontro de Abu Dhabi, com o imã de Al-Azhar, em que o tema já era esta fraternidade.


"Para ficarmos melhor - mais irmãos e mais atentos, com uma Casa Comum mais habitável por nós e pelas gerações futuras - a economia tem de ter no centro nunca o lucro, mas as pessoas, as comunidades e a vida, tornar o planeta mais habitável"


Esta encíclica sobre a fraternidade nasce, de alguma forma, em fevereiro de 2019, com essa declaração conjunta assinada com o imã de Al-Azhar, em que se condena a violência em nome da religião. Nesse encontro inter-religioso, Francisco deixou uma frase que parece profética, quando lida no momento atual: “Hoje também nós, em nome de Deus, para salvaguardar a paz, precisamos de entrar juntos, como uma única família, numa arca que possa sulcar os mares tempestuosos do mundo: a Arca de Fraternidade”. É este o “mesmo barco” em que somos chamados a estar?

Tal e qual. É curiosa essa evocação de Noé nas paragens onde se deu o encontro. Obviamente que São Francisco de Assis estará presente. Tenho grande expectativa. A encíclica não deve ser pequena, deve dar muito trabalho a estudar, a aprofundar e a divulgar. Continua-se a dizer, aconteceu-me noutro dia em diálogo com a Comissão Justiça e Paz da Diocese de Bragança-Miranda, que “a Doutrina Social da Igreja é muito pouco conhecida”. É mais ou menos um cliché. Nós temos de a dar a conhecer, e creio que estamos num momento em que seremos infiéis ao Evangelho se não o fizermos.

Logo no início da pandemia, na cerimónia a que presidiu na Praça de São Pedro, sozinho, o Papa usou a expressão “estamos todos no mesmo barco”. Pensando na questão da fraternidade: será que com a pandemia assimilámos e compreendemos melhor esta necessidade de união?

Creio que, globalmente, sim. Mas na prática… Um grande desafio, por exemplo, é a vacina. O Papa tem sublinhado que só pode ser para todos, não pode ser para os que podem ou para os que têm.

Não sei se todos têm interiorizada esta dimensão…

E sublinhar este valor da fraternidade, numa encíclica, pode ser importante?

Muitíssimo importante.

O ideal da Amizade Social pode ser uma utopia?

A Amizade Social é mesmo a nossa utopia no sentido bom, no sentido fecundo, é para ali que vamos. É mobilizador, o que queremos construir, com finalidades partilhadas, como o bem comum. Certamente, numa encíclica destas, o tema do bem comum – um tema clássico da Doutrina Social da Igreja – vai ser revisitado, e quero ver como. Estou muito curioso.


"A Amizade Social é mesmo a nossa utopia no sentido bom. É mobilizador, o que queremos construir, com finalidades partilhadas, como o bem comum. Certamente, numa encíclica destas, o tema do bem comum – um tema clássico da Doutrina Social da Igreja – vai ser revisitado, e quero ver como. Estou muito curioso"


Numa intervenção do Papa que citava há pouco, ao falar sobre a economia, na audiência pública da última quarta-feira, Francisco teve uma palavra muito forte: nós estamos todos à espera de voltar à normalidade, mas convém não voltar à normalidade, porque ela já estava doente antes da pandemia…

Já era anormal.

É importante que, no dia em que for possível afastar esta ameaça, haja um compromisso de construir uma realidade diferente?

Eu creio que esse compromisso vai ter de ser anterior a esse momento, para que quando ele chegar, saibamos para onde ir, sem hesitar nos passos a dar. As Nações Unidas são uma plataforma muito importante, a diplomacia, aquilo que o Papa tem sublinhado nos vários fóruns.

Além da Economia, estão sempre presentes os valores…

Os valores não-económicos.

Os valores não-económicos, exatamente. Neste tempo, a transformação dos mais vulneráveis em sujeitos dispensáveis, descartáveis, é uma das marcas mais negativas.

E das preocupações mais constantes nas intervenções do Papa.

Sem interiorizar os valores da fraternidade e da amizade social, será possível inverter a ‘rampa deslizante’ a que assistimos, a vários níveis? A encíclica pode ajudar a essa interiorização?

Eu espero que o Papa explique melhor um tema teológico em que pega na ‘Laudato Si’, que na Europa foi desenvolvido por Edward Schillebeeckx: o amor político. Nas intervenções que, entretanto, tem apresentado, volta a esse conceito. Desde João XXIII, a política tem sido apresentada como um alto empenho da ação da caridade. Não é, às vezes, a política que nós vemos, mas é a política como é chamada a ser.

Voltamos à ideia das utopias e da projeção.

Exatamente. Isto não é sociologia da política, é uma reflexão teológica sobre a política. A política ao serviço do bem comum, de todos e de cada um, para que o desenvolvimento seja harmónico, global, não esmagando nem descartando ninguém.

Esta encíclica, divulgada no atual contexto, poderá vir a ser uma síntese das várias preocupações neste campo e que têm sido imensas, desde o primeiro momento do pontificado?

É verdade. Creio que, juntamente com a ‘Laudato Si’, será um bom complemento, explicitando algumas coisas que, entretanto, aconteceram nestes cinco anos, riquíssimos de reflexão. Não vai repetir o mesmo, vai dar passos em frente, inovar. Isso corresponde ao ritmo, à dinâmica da Doutrina Social da Igreja.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    05 out, 2020 Funchal 14:49
    Mas a Igreja que saiba gerir bem o dinheiro, que recebe do povo e deixe-se de megalomanias, tal como é a Catedral da Santíssima Trindade, em Fátima...Deus não dorme.

Destaques V+