Tempo
|
A+ / A-

Moçambique. Igreja de Mocímboa da Praia foi destruída num ataque de grupos armados à vila

06 jul, 2020 - 17:15 • Ecclesia

Situação de Cabo Delgado vai ser debatida no Parlamento Europeu.

A+ / A-

A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) alertou para os ataques de grupos armados na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, que recentemente destruíram a igreja de Mocímboa da Praia.

“Os ‘insurgentes’, como os terroristas são conhecidos localmente, juntaram todos os bancos, empilharam-nos como se fossem lenha, e atearam fogo”, explica o secretariado português da AIS, sobre o ataque à vila de Mocímboa da Praia, na província de Cabo Delgado.

Na informação enviada à Agência Ecclesia, a fundação pontifícia revela que a violência destrutiva dos jihadistas “levou à fuga da população para as matas” e a intervenção do Exército moçambicano impediu uma destruição maior, mas “há relatos de que os grupos armados continuam na zona, e terão mesmo voltado a atacar alguns bairros de Mocímboa da Praia”, na última sexta-feira.

O secretariado português da AIS explica que, agora, uma semana depois, “começam a surgir os primeiros relatos sobre a destruição causada pelos grupos jihadistas” nos dias 27 e 28 de junho.

Para além da destruição da igreja de Mocímboa da Praia há fotografias que mostram a “destruição absoluta de outros edifícios”, como a Escola Secundária Januário Pedro ou o Hospital Distrital, exemplos do que aconteceu “praticamente em toda a vila.

Mocímboa da Praia é capital distrital e tem cerca de 20 mil habitantes já foi por mais do que uma vez local da “violência brutal” dos grupos jihadistas que reivindicam pertencer ao autoproclamado Estado Islâmico.

A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre recorda que no dia 23 de março, a vila foi ocupada pelos “insurgentes” que “hastearam bandeiras negras dos jihadistas” e queimaram alguns edifícios, libertaram os presos da prisão local e chegaram a patrulhar as ruas.

A situação de violência em Cabo Delgado, que já provocou centenas de mortos e mais de 200 mil deslocados, foi um dos temas principais da reunião da Conferência Episcopal de Moçambique, entre os dias 9 e 13 de junho, que falaram em “atrocidades” e em “atos de verdadeira barbárie”, pedindo “uma resposta urgente a esta tragédia”.

A AIS adianta que Parlamento Europeu discute esta segunda-feira, em reunião extraordinária do Comité das Relações Exteriores, a questão da violência na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique.

A reunião irá servir para o representante da União Europeia em Moçambique explicar que medidas estão a ser planeadas no auxílio a este país africano que enfrenta uma grave crise humanitária na sequência de constantes ataques violentos por grupos terroristas que se afirmam afiliados no Estado Islâmico.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+