Tempo
|
A+ / A-

Sacerdote suspenso na República Dominicana por alegado abuso sexual de menor

06 out, 2019 - 17:50 • Lusa

Em comunicado, o bispo de Bani, Victor Masalles, condenou o abuso do menor, que não foi identificado.

A+ / A-

A Igreja Católica na República Dominicana anunciou a suspensão preventiva de um sacerdote colombiano por alegado abuso sexual de um menor.

O sacerdote suspenso foi identificado como Aleycer Vivas Ortiz, membro da Ordem dos Agostinianos Recoletos e dependente da diocese de Baní, um povoado a sudoeste de Santo Domingo, segundo um comunicado deste organismo eclesiástico reproduzido pela imprensa local.

No comunicado, o bispo de Bani, Victor Masalles, condenou o abuso do menor, que não foi identificado porque a lei o impede, e pediu perdão em nome da Ordem dos Agostinianos Recoletos, da diocese e de sua própria diocese, "pelo dano que esta situação representa para a família e a sociedade".

"Manifestamos nossa mais firme e contundente condenação a esta ação imoral, e a todas as formas de abuso, especialmente quando é cometido por um sacerdote, de quem menos se espera", disse Masalles num comunicado enviado aos principais meios de comunicação dominicanos.

Da mesma forma, o bispo afirmou que está a oferecer "todo o apoio, acompanhamento e solidariedade" à família afetada pelos abusos.

A diocese não forneceu mais detalhes sobre o caso, nem especificou a data ou o lugar em que foram cometidos, nem as circunstâncias.

Segundo o bispo, a diocese colocou Vivas Ortiz à disposição da Justiça, e assegurou que está a colaborar com o processo de investigação, esperando que as autoridades apliquem todas as sanções previstas no código penal.

Em outubro de 2018, a Igreja Dominicana suspendeu outro sacerdote depois deste ter revelado que tinha tido relações "impróprias" com um menor no município de Sabana Grande de Boyá, província de Monte Plata (sudeste).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+