Tempo
|
A+ / A-

Madagáscar. Papa pede por todos os trabalhadores e alerta para o trabalho infantil

08 set, 2019 - 12:55 • Aura Miguel , enviada a Madagáscar, com Redação

O Papa leu uma oração para os trabalhadores do Estaleiro de Mahatzana, em Madagáscar.

A+ / A-
Papa visita Cidade da Amizade em Madagáscar. "A pobreza não é uma fatalidade"
Papa visita Cidade da Amizade em Madagáscar. "A pobreza não é uma fatalidade"

O Papa pediu, este domingo,a proteção de Deus para os trabalhadores, durante um encontro de oração com os trabalhadores do Estaleiro de Mahatzana, em Madagáscar.

"Em frente desta pedreira britada pelo trabalho do homem: nós Vos pedimos por todos os trabalhadores. Por aqueles que o fazem com as próprias mãos e enorme esforço físico. Preservai os seus corpos do desgaste excessivo: que não lhes falte a ternura e a capacidade de acariciar os seus filhos e jogar com eles. Concedei-lhes o vigor da alma e a saúde do corpo para que não fiquem esmagados pelo peso da sua tarefa", proclamou Francisco.

Nouro momento desta intervenção, o Papa lembrou o flagelo do trabalho infantil: "Que as nossas crianças não sejam forçadas a trabalhar, possam ir à escola e continuar os seus estudos, e os seus professores consagrem tempo a esta tarefa, sem precisarem doutras atividades para a subsistência diária."

"Deus da justiça, tocai os corações de empresários e dirigentes: que eles provejam a tudo o que é necessário para assegurar a quantos trabalham um salário digno e condições respeitosas da sua dignidade de pessoas humanas."

Francisco está em Madagáscar 30 anos depois da passagem de São João Paulo II pela ilha. Em Madagáscar, um dos países mais pobres do mundo, a maioria da população (75%) vive com menos de dois euros por dia.

Este é o último dia de visita a Madagáscar. Na segunda-feira de manhã, Francisco ruma à Maurícia, o último país da sua 31.ª viagem apostólica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+