A+ / A-

Cotrim de Figueiredo acusa Governo de "ser paroquial" com apoio a Costa para Conselho Europeu

11 jun, 2024 - 12:44 • Lusa

A proximidade entre o Presidente francês, também um liberal, e António Costa, é conhecida, quem em várias ocasiões enalteceu as capacidades de diálogo do ex-primeiro-ministro português.

A+ / A-

O eurodeputado eleito pela IL João Cotrim de Figueiredo acusou esta terça-feira o Governo de privilegiar a nacionalidade de António Costa em vez da sua utilidade para o projeto europeu com o apoio anunciado, que apelidou de paroquial.

"Estão a privilegiar a nacionalidade em relação à utilidade. Acho que é paroquial, desculpe que lhe diga, quando a nacionalidade das pessoas conta mais do que as suas ideias. Podemos ter uma pessoa com ideias absolutamente inaceitáveis e só porque é do nosso país ser apoiada. Não faz sentido", disse João Cotrim de Figueiredo no Parlamento Europeu, em Bruxelas.

O antigo presidente da Iniciativa Liberal considerou que o ex-primeiro-ministro António Costa "não gosta de mudança", por isso, "não serve ao projeto europeu".

A proximidade entre o Presidente francês, também um liberal, e António Costa, é conhecida, quem em várias ocasiões enalteceu as capacidades de diálogo do ex-primeiro-ministro português.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, já demonstrou apoio a António Costa, se o ex-secretário-geral socialista avançar. Alemanha e França costumam estar concertados nesta decisão, pelo que é expectável um endosso de Emmanuel Macron.

Mas João Cotrim de Figueiredo pediu que todos os liberais sejam "suficientemente coerentes" e rejeitassem uma pessoa que "não tem uma postura liberal sobre o futuro da Europa".

"Tinha muita pena se os outros liberais não pensassem dessa forma", reconheceu, acrescentando que vai tentar influenciar a decisão do Renovar a Europa, grupo político liberal, nesse sentido.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+