A+ / A-

Europeias em Itália

Partido de direita radical Irmãos de Itália e Meloni com vitória clara

09 jun, 2024 - 23:49 • Lusa

Os Irmãos de Itália obtiveram entre 26% e 30% dos votos, à frente do Partido Democrático (PD, centro-esquerda), que teve entre 21% e 25%.

A+ / A-

O partido de direita radical Irmãos de Itália, da primeira-ministra Giorgia Meloni, confirmou o favoritismo que lhe era atribuído e venceu de forma clara as eleições europeias neste país, segundo sondagens à boca das urnas divulgadas domingo à noite.

De acordo com a sondagem divulgada pela estação televisiva estatal italiana RAI assim que encerraram as urnas no país (e na União Europeia, já que Itália era o Estado-membro onde a votação se prolongava até mais tarde, às 23h00 locais), os Irmãos de Itália obtiveram entre 26% e 30% dos votos, à frente do Partido Democrático (PD, centro-esquerda), que teve entre 21% e 25%.

A terceira força política mais votada foi o Movimento 5 Estrelas (populista de esquerda), com 10% a 14% dos votos, seguido do Força Itália (centro-direita), com 8,5% a 10,5%, e do partido de extrema-direita Liga, do eurocético Matteo Salvini, que se situa entre os 8% e os 10%, de acordo com a sondagem efetuada pelo consórcio Opinio Italia para a RAI.

Uma outra sondagem à boca das urnas, divulgada pela estação televisiva Sky, dá também a vitória aos Irmãos de Itália com um resultado em torno dos 26,5%, seguido do PD com 23%, enquanto o Movimento 5 Estrelas é terceiro com 12,5% e o Força Itália supera a Liga (9,5% contra 9%), resultados em linha com a sondagem da RAI.

Face às anteriores eleições europeias, de 2019, e tal como as sondagens ao longo dos últimos meses já antecipavam, regista-se uma troca de papéis entre os partidos da direita radical em Itália, já que há cinco anos a Liga de Salvini obtivera uma vitória inquestionável, com 34,3% dos votos, que lhe valeram 29 dos 76 assentos a que Itália tem direito no Parlamento Europeu, enquanto os Irmãos de Itália obtiveram 6,4%, que lhe atribuiu cinco assentos no hemiciclo europeu.

Meloni, que preside ao grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus (ERC, direita radical) no Parlamento Europeu, obtém mesmo, segundo estas sondagens à boca das urnas, um resultado melhor do que nas eleições legislativas de 2022 (24,6%), que lhe permitiram tornar-se a primeira mulher a governar Itália, à frente de um governo de coligação que integra também a Liga e a Força Itália.

O Partido Democrático, agora liderado por Elly Schlein, confirma-se como principal força da oposição, mas não deverá crescer muito face ao resultado obtido há cinco anos (22,7%).

Cerca de 361 milhões de eleitores dos 27 países da União Europeia (UE) foram chamados a escolher a composição do próximo Parlamento Europeu, elegendo 720 eurodeputados, mais 15 que na legislatura anterior.

Itália é o terceiro Estado-membro com mais assentos no Parlamento Europeu, 76, apenas atrás de Alemanha (96) e França (81).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+