A+ / A-

Europeias 2024

A AD perdeu as eleições, mas Montenegro afasta instabilidade política

10 jun, 2024 - 03:38 • Manuela Pires

Luís Montenegro “abafou” a derrota eleitoral com o anúncio do apoio “incondicional” do governo e dos eurodeputados da AD a António Costa numa eventual candidatura à presidência do Conselho Europeu.

A+ / A-

Veja também:


Nuno Melo, líder do CDS, tinha avisado que a noite das eleições europeias ia ser longa, mas muito interessante do ponto de vista político. E assim aconteceu.

A AD perdeu, mas o primeiro-ministro encontrou várias formas para dar a volta à derrota. Luís Montenegro reconhece que o resultado ficou aquém do esperado, mas “dá-nos muito, muito alento” para continuar a trabalhar. A Aliança Democrática mantém os 7 deputados que elegeu em 2019 (6 do PSD e 1 do CDS) mas consegue aumentar o número de votos. No discurso que fez, na noite eleitoral, Luis Montenegro sublinha ainda o facto de, à direita, a Iniciativa Liberal e o Chega elegerem, pela primeira vez, dois deputados cada um.

Mas o primeiro-ministro tinha uma carta na manga para apresentar esta noite, o apoio a uma possível candidatura de António Costa à presidência do Conselho Europeu.

Ao longo de toda a campanha, o cabeça de lista da AD nunca quis dar resposta a esta pergunta. Deu jeito, agora, ao primeiro-ministro anunciar o apoio “incondicional” do governo e dos deputados da AD a António Costa. Luís Montenegro justificou o anúncio para não criar um tabu, mas foi uma forma de “abafar” a derrota da Aliança Democrática.

Sebastião Bugalho: a vitória do PS foi por "poucochinho"

A noite eleitoral da AD foi feita de silêncios, de espaços vazios à espera dos resultados que começaram a ser conhecidos só às 22h00. Desta vez poucos apoiantes permaneceram na sala e só ao fim da noite se encheu para ouvir os discursos do primeiro-ministro e de Sebastião Bugalho.

Apesar da derrota, Luís Montenegro mantém o discurso que fez na noite de 10 de março sobre as condições de governabilidade. Garante que o Governo está disponível desde a primeira hora para dialogar e procurar consensos com todas as forças políticas, mas acusando o PS de não querer consensos com o executivo.

Questionado sobre as declarações do presidente do PS que pedia mais “humildade” ao PSD depois deste resultado. Luís Montenegro responde que vai continuar como até aqui, nada muda para o primeiro-ministro.

Montenegro volta a dizer que o Governo não esteve em campanha eleitoral durante estas duas semanas, mas sim a cumprir os compromissos e essa é uma tarefa para continuar.

Sebastião Bugalho, o cabeça de lista da AD que foi uma escolha surpresa de Luís Montenegro, assume “integralmente a responsabilidade pelo resultado” obtido nestas eleições.

O cabeça de lista que tinha colocado como objetivo chegar aos 29%, conseguiu mais dois pontos, felicitou Marta Temido pela vitória, mas disse que foi por "poucochinho".

“Foram cerca de 0,8% mais do que a AD. Alguém até poderia dizer que foi mesmo por poucochinho”, disse Sebastião Bugalho, referindo-se a uma expressão usada por António Costa para comentar o resultado das europeias na liderança de António José Seguro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • maria
    10 jun, 2024 rialva 14:43
    o povo português mostrou quanto está agradecido aos partidos do costume,queixa-se sempre,mas não muda.

Destaques V+