A+ / A-

Europeias na Hungria

Na Hungria, Orbán tem a votação mais fraca em décadas

09 jun, 2024 - 23:26 • Reuters

"Será óbvio para todo o povo húngaro que agora temos uma nova situação, um novo partido de oposição, que será capaz de derrotar este governo", disse Magyar.

A+ / A-

Embora à frente, são os piores resultados em 20 anos para o partido de Viktor Orbán. O partido Fidesz do primeiro-ministro húngaro alcançava 43,8% dos votos (dados ainda provisórios) durante a eleição deste domingo para o Parlamento Europeu, o que pode vir a traduzir-se no seu pior resultado, tanto numa votação nacional como europeia, em quase duas décadas.

No poder desde 2010, o veterano nacionalista Orbán enfrentou múltiplas crises nos últimos meses, quando um escândalo de abuso sexual derrubou dois dos seus principais aliados, numa altura em que a Hungria emergia do pior aumento inflacionário na União Europeia.

Os resultados iniciais previam que o Fidesz de Orban ganhasse 11 assentos no Parlamento Europeu, com a oposição de Peter Magyar, Tisza, a ficar em segundo lugar com sete assentos e 31% dos votos — um resultado melhor do que qualquer uma das pesquisas que antecederam a previsão eleitoral.

O Fidesz de Orbán e os seus aliados democratas-cristãos tinham um total combinado de 13 assentos no Parlamento Europeu antes da votação de domingo.

Recém-chegado à política, Magyar mergulhou na política húngara no início deste ano, prometendo erradicar a corrupção e reavivar os freios e contrapesos democráticos na Hungria, que os críticos dizem ter sido desgastados sob Orban.

"Será óbvio para todo o povo húngaro que agora temos uma nova situação, um novo partido de oposição, que será capaz de derrotar este governo", disse Magyar aos jornalistas no domingo, numa altura em Orbán ainda não tinha feito qualquer comentário sobre os resultados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+