A+ / A-

Europeias. "Presidente do Conselho deverá ser socialista", diz Costa

09 jun, 2024 - 21:00 • Lusa

Na opinião do ex-primeiro-ministro, "resultados europeus são muito interessantes". Crescimento da extrema-direita não coloca em causa a estabilidade do sistema europeu de partidos, entende.

A+ / A-

Veja também:


O ex-primeiro-ministro António Costa considerou este domingo que os resultados das projeções europeias indicam que os socialistas deverão liderar o Conselho Europeu, mas salientou que a escolha depende dos atuais governos.

Para cargos europeus "há sempre uma extensa lista de ex-primeiros-ministros excelentes. Há uma pequena diferença é que os que estão em exercício são os que estão à volta da mesa [para escolher os nomes] e isso faz tudo uma grande diferença", afirmou, na CMTV António Costa, evitando responder se está disponível para um cargo europeu.

"Há sempre muitas hipóteses. Há cinco anos, quando entrámos para o Conselho [Europeu], a senhora Von der Leyen não era um nome que fosse referido para nenhum dos lugares", recordou o antigo governante.

"Por isso vamos ver", limitou-se a dizer António Costa, explicando que, na próxima semana, o Conselho Europeu deve reunir-se para discutir os nomes para os cargos, tendo em conta as eleições europeias deste fim de semana.

No seu entender, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, "tem todas as condições para ser reeleita", porque o "PPE vai continuar a ser a primeira força" e "nenhum dos grupos da extrema-direita consegue ultrapassar os liberais" no Parlamento. .

"Eu diria que a presidente da Comissão Europeia será do PPE e o Conselho Europeu dos socialistas", comentou António Costa, considerando ainda que o "Parlamento Europeu há-de rodar entre os socialistas e os liberais" ou "entre o PPE e os liberais".

"Estes resultados europeus são muito interessantes", afirmou Costa, salientando que o crescimento da extrema-direita não coloca em causa a estabilidade do sistema europeu de partidos.

"Aquilo que é muito claro é que entre o PPE [Partido Popular Europeu, centro-direita], socialistas e liberais há uma maioria clara", o que assegura uma "perspetiva de estabilidade em relação à orientação da política europeia", afirmou António Costa, que comentou a possível subida da Iniciativa Liberal, em Portugal, no quadro global.

"Sempre disse que um deputado da IL valeria mais que três deputados do Chega", porque este partido pertence a um "grupo político que está fora do consenso europeu".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+