A+ / A-

Montenegro promete saúde mais próxima das famílias com "resposta a tempo e horas"

29 mai, 2024 - 13:20 • João Malheiro com Lusa

Primeiro-ministro apresenta programa com 50 medidas para a Saúde. Montenegro critica quem queira fazer da Saúde uma "questão ideológica".

A+ / A-

O primeiro-ministro promete um sistema de Saúde que dê uma resposta a tempo e horas, combate as listas de espera, garanta a segurança de bebés e mães, garanta cuidados urgentes e emergentes, e invista na Saúde Mental.

São estes os cinco eixos estratégicos do Programa de Emergência e Transformação do Governo para a área da Saúde, apresentados esta quarta-feira, em conferência de imprensa.

Luís Montenegro refere que o programa prevê, ao todo, 50 medidas que são tanto imediatas como de longo prazo.

O Governo vai criar centros de atendimento clínico para atender situações agudas de menor complexidade e urgência, que funcionarão como "coroa de proteção" aos serviços de urgência hospitalares.


Segundo o plano, os Centros de Atendimento Clínico podem ser "entidades públicas, sociais e privadas que possam disponibilizar logísticas adequadas para o atendimento de situações agudas de menor complexidade clínica e urgência".

De forma complementar, e no sentido de se aumentar a capacidade de resposta da estrutura instalada no SNS, deverá ser explorada a criação de "consultas abertas" nos próprios hospitais com Serviço de Urgência. .

"Em Lisboa, por exemplo, já estão a ser realizados esforços para se encontrar um conjunto de alternativas com capacidade de atendimento de aproximadamente 1.000 doentes por dia com situações agudas de menor complexidade clínica (implicando entre 24 e 36 gabinetes de observação) até ao final de 2024", lê-se no documento.

Após a adoção desta medida em Lisboa, seguida depois do Porto, serão abrangidas outras cidades de forma gradual.

Está também prevista a requalificação dos espaços de urgências: "É essencial para a criação de um ambiente propício à prestação de cuidados urgentes e emergentes, designadamente quanto aos fluxos urgentes/emergentes das Vias Verdes e à área da Saúde Mental", lê-se no documento.

Relativamente aos internamentos, o objetivo é libertar até ao final do ano camas indevidamente ocupadas por situações sociais nos internamentos hospitalares dedicados a doentes com patologia aguda.

Saúde não é área ideológica

Antes de apresentar as medidas, Luís Montenegro garantiu que o programa para a Saúde traria medidas de urgência, contudo igualmente "transformações estruturais", para "qualificar e esgotar toda a capacidade disponível".

O primeiro-ministro voltou a garantir que a base do sistema é o Serviço Nacional de Saúde e que a gestão desta área não é "uma questão ideológica".

O líder do Executivo reconhece que "há muita coisa que só se resolve com tempo". Mesmo assim, garante que haverá "respostas urgentes e imediatas" a vários problemas do SNS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+