A+ / A-

ADN quer “reestruturação quase total” dos fundos europeus

28 mai, 2024 - 12:58 • Hugo Monteiro

Joana Amaral Dias esteve na Costa Nova, em Aveiro, para acompanhar um dia de faina a bordo de um barco de pesca e lamentou que grande parte das verbas da Europa vá para a aquacultura. Criticou a Europa e o Parlamento Europeu mas não vê contradição com o facto de ser candidata a Estrasburgo.

A+ / A-

A cabeça de lista da Alternativa Democrática Nacional (ADN) às eleições europeias defende “uma reestruturação quase total dos fundos europeus”.

Joana Amaral Dias diz que estas verbas “não estão a ir para aquilo que é essencial: a industrialização do país, a educação ou a pesca”.

Dá o exemplo de “grande parte dos fundos” que “vão para a aquacultura, para os viveiros”, sendo que “só uma fatia muito magra, 10% desses fundos, é que chega de facto aos pescadores que vão à Ria e que vão ao mar”.

Joana Amaral Dias diz que os países, nomeadamente Portugal, precisam “resgatar uma parte da soberania”, quando “as leis e as diretivas europeias” são “contrárias aos interesses nacionais”, numa Europa "que não é democrática, porque das suas instituições, só uma é de facto eleita, o Parlamento Europeu, e nem sequer tem iniciativa legislativa”.

A cabeça de lista do ADN não vê, nesta posição, um contrassenso, uma vez que é candidata a esse mesmo Parlamento Europeu. "Nós queremos uma Europa que seja intergovernamental, mas não federalista. Não é ter menos Europa, é antes ter uma outra Europa, uma Europa diferente”, argumenta.

Como objetivo para as Europeias, Joana Amaral Dias quer chegar aos 150 mil votos, que poderão garantir a eleição. Um número mais elevado do que o conseguido nas últimas eleições legislativas. Sem confusão de siglas com a AD no boletim de voto, diz, porque, se tal acontecesse, “também se confundia o PS com PSD”.

A prova está, sublinha” nas eleições na Madeira, onde não havia AD e, no entanto, o ADN teve um resultado histórico. É a prova dos nove como efetivamente não houve engano nenhum” dos eleitores no momento do voto para as Legislativas”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+