A+ / A-

Montenegro afasta "reconhecimento unilateral" do estado da Palestina

24 mai, 2024 - 15:08 • Lusa

O primeiro-ministro português indicou que Portugal tem preconizado uma "solução política de dois estados", Israel e Palestina, e considerando urgente que seja desbloqueada a ajuda humanitária.

A+ / A-

O primeiro-ministro, Luís Montenegro, considerou esta sexta-feira, em Berlim, que Portugal não está em condições de reconhecer unilateralmente o estado da Palestina e reiterou a defesa de uma "solução política de dois estados".

"Portugal votou favoravelmente na Assembleia Geral das Nações Unidas o reconhecimento da Palestina como membro de pleno direito desta organização (...) Relativamente a reconhecimentos unilaterais, nós não estamos em condições de o fazer, não o vamos fazer nesta oportunidade, e aguardaremos uma discussão de aprofundamento deste assunto na União Europeia", frisou o líder do governo português.

O primeiro-ministro português chegou à Chancelaria Federal às 11h30 da manhã (menos uma hora em Portugal continental) e foi recebido pelo chanceler alemão, Olaf Scholz, com honras militares. A integrar a comitiva portuguesa esteve também Paulo Rangel, ministro dos Negócios Estrangeiros português.

O conflito no Médio Oriente foi um dos temas em cima da mesa, revelando o primeiro-ministro que Portugal tem preconizado uma "solução política de dois estados", Israel e Palestina, e considerando urgente que seja desbloqueada a ajuda humanitária.

"É um imperativo de humanidade aquele que hoje está diante de todos para que a ajuda possa chegar", acrescentou.

Olaf Scholz também defendeu uma "solução negociada", garantindo que a Alemanha "não vai reconhecer o estado palestiniano agora porque não há fronteiras definidas".

"A prioridade é termos um cessar-fogo e o compromisso dos dois lados de que este será cumprido", apontou o chanceler alemão.

Questionado sobre o pedido de mandado de detenção feito pelo procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI) contra líderes do Hamas e governantes israelitas, Montenegro revelou não querer pronunciar-se sobre um caso concreto.

"Os mandatos são para cumprir, aguardarmos as decisões e dar-lhe-emos a devida sequência", concretizou.

A visita oficial à Alemanha foi a segunda realizada por Luís Montenegro desde que é primeiro-ministro, tendo a primeira sido em Espanha, com um encontro com o presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+