A+ / A-

Legislativas 2024

​103 anos do PCP. “Vamos ser a grande surpresa da noite eleitoral”

06 mar, 2024 - 08:47 • Cristina Nascimento

Paulo Raimundo cumpriu iniciativa de campanha à porta da Lisnave, em Setúbal.

A+ / A-

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, acredita que o partido vai ser “a grande surpresa eleitoral da noite”.

Em dia de aniversário do PCP - 103 anos - Raimundo falava em Setúbal, à porta da Lisnave, onde a CDU cumpre uma iniciativa de campanha de contacto com trabalhadores.

“São 103 anos de história, uma história que se confunde com a história do país e dos trabalhadores. Enfrentámos todas as incógnitas ao longo dos anos e ultrapassamo-las por uma razão: ligados aos trabalhadores. E essa ligação aos trabalhadores vai também resolver as incógnitas e vamos ser a grande surpresa da noite eleitoral, não tenho dúvidas disso”, afirmou o líder do PCP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anastácio José Marti
    06 mar, 2024 Lisboa 11:20
    Como poderá alguma vez o PCP ser uma surpresa nas próximas eleições, se até hoje, 06/03/2024, nada fez para que estes problemas nacionais fossem séria, responsável e intelectualmente resolvidos? 1 - Trabalhadores DEFICIENTES a serem vítimas de verdadeiros homicídios profissionais pelo Estado português, jamais o país contará com o meu voto. 2- Enquanto o povo ou a sua maioria, continuar a ser empurrada para a miséria e pobreza com aumentos abaixo da taxa de inflação com o voto dos cidadãos vítimas destas políticas jamais contarão. 3 - enquanto o Estado continuar a fazer incidir sobre os Subsídios de Férias e de Natal, impostos como a ADSE, IRS, CGA, etc, que vontade poderão ter os funcionários públicos, vítimas destas imposições para votarem? 4- Enquanto nada for feito para terminar com a vergonha dos sem abrigo, que vontade terão para votar os que são vítimas desta imposição. 5- Enquanto o SNS for o que é e não responsa às necessidades da população em tempo real, como a de milhares de utentes que por mera desorganização dos Centros de saúde, continuam sem Médico de Família atribuído, sejam utentes prioritários de Alto Risco ou quaisquer outro, que vontade terão de votar as vítimas de mais esta vergonha nacional? Por todas estas razões e mais algumas, mais importante do que apelarem ao voto é preciso apelas à resolução destas vergonhas nacionais que em nada dignificam a vida. Será que o trabalhador DEFICIENTE, vítima deste homicídio profissional pelo Estado com a complacência do PCP que tanto alega defender quem trabalha mas no caso presente nada fez, apesar de o conhecer, terá alguma vontade de votar?

Destaques V+