A+ / A-

LEGISLATIVAS 2024

Pedro Nuno quer excedente orçamental para gastar com o povo e não com a banca

03 mar, 2024 - 15:10 • Lusa

O secretário-geral do PS assinalou que Portugal apresenta agora uma situação financeira e orçamental "mais confortável".

A+ / A-
Reportagem da jornalista Susana Madureira Martins em Caxinas. 13h
Reportagem da jornalista Susana Madureira Martins em Caxinas. 13h

O secretário-geral do PS procurou fazer, este domingo, um dualismo entre esquerda e direita e disse que o excedente orçamental é para gastar com o povo e não com a banca e com as grandes empresas.

Pedro Nuno Santos falava depois de uma ação de rua na zona piscatória das Caxinas, concelho de Vila do Conde, bastião eleitoral socialista, num breve discurso em que também acusou a Aliança Democrática (AD) de "arrogância" nesta campanha para as legislativas de dia 10.

"Conseguimos diminuir a nossa dívida e ter excedente [orçamental]. E a escolha que temos para fazer é se queremos gastar esse excedente com quem não precisa, com os bancos e com as maiores empresas, ou se queremos investir no povo, no Estado social, nos serviços públicos, nos nossos hospitais e escolas", afirmou, perante largas centenas de militantes e simpatizantes socialistas.

O secretário-geral do PS assinalou que Portugal apresenta agora uma situação financeira e orçamental "mais confortável".

"Por isso, é hora de apoiarmos o nosso povo, aumentando salários e pensões. Essas são as prioridades dos socialistas. Nós não queremos desbaratar recursos com quem não precisa. Queremos investir os recursos a cuidar do nosso povo, de quem trabalhou uma vida inteira - os nossos reformados - e em quem trabalha", completou.

Embora sem falar na AD, Pedro Nuno Santos deixou uma mensagem: "Para aqueles que tinham já a arrogância de achar que iam ganhar, vejam onde está a verdadeira força, onde está o povo, estamos aqui em força".

"Em Caxinas, terra de trabalho duro, gente que se faz ao mar para alimentar o nosso povo, quero agradecer, porque vocês são uma inspiração, um exemplo de luta e de combate. Esse é o exemplo que temos de levar ao país, trabalho árduo que seja recompensado", prometeu.

Ainda nesta lógica de discurso, o líder socialista referiu que Portugal é um país "que se fez no mar, que se construiu no mar e não pode esquecer quem trabalha no mar todos os dias e do mar retira alimento para todos".

Depois, dirigindo-se aos seus apoiantes das Caxinas, fez uma demarcação em relação à conceção liberal de mérito.

"Sim, vocês é que têm mérito - mérito de trabalhar, numa vida dura, para toda a comunidade", acrescentou.

Antes, o presidente da Câmara de Vila do Conde, Vítor Costa, apresentou o líder socialista como "um homem de palavra" e que "nunca falhou às gentes do mar".

Dirigindo-se às pessoas das Caxinas de Vila do Conde, disse-lhes: "Vocês sabem, vocês enfrentam tempestades, e Portugal precisa de homens de coragem".

"Foi a partir das Caxinas que o PS conquistou as suas maiores vitórias", afirmou Vítor Costa.

Hoje de manhã, na arruada das Caxinas, em Vila do Conde, Pedro Nuno Santos fez um percurso semelhante ao de António Costa na campanha para as legislativas de 2022.

No trajeto, esteve acompanhado pelo cabeça de lista socialista pelo Porto, Francisco Assis, pelo número três dessa lista e atual ministro da Saúde, Manuel Pizarro, pelo presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, assim como por vários autarcas do distrito do Porto.

Ao longo do percurso, Pedro Nuno Santos foi rodeado por uma enchente humana, tendo entrado em estabelecimentos comerciais, acenado para as pessoas de uma varanda, tirado "selfies", distribuído beijinhos e abraços e cumprimentado várias crianças.

"Vamos mobilizar-nos em força para ganhar. Vamos lá embora", disse para uma câmara da campanha socialista que o acompanhava, depois de ter ouvido, ao longo do percurso um senhor que lhe confessou que vai votar este ano pela primeira vez no PS, assim como toda a sua família, e uma idosa que lhe pediu que derrote a direita.

Em declarações aos jornalistas, Pedro Nuno Santos considerou que esta arruada mostrou a "força da candidatura" do PS e que o "povo sabe onde é que está o caminho certo", acrescentando que o dia de hoje - que vai contar com três arruadas e dois comícios - vai ser um "grande dia de campanha".

"Isto é impressionante. Vocês podem testemunhar a força com que as pessoas estão, a vontade que têm. Era impossível ser melhor, é extraordinário", considerou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+