A+ / A-

Montenegro considera que Estado social atingiu o pior momento desde o 25 de Abril

03 mar, 2024 - 16:51 • Lusa

O presidente do PSD, Luís Montenegro, considerou hoje que em resultado da governação do PS nos últimos oito anos "o Estado social atingiu o seu pior momento desde o 25 de Abril".

A+ / A-

O presidente do PSD, Luís Montenegro, considerou, este domingo, que em resultado da governação do PS nos últimos oito anos "o Estado social atingiu o seu pior momento desde o 25 de Abril".

Luís Montenegro discursava num comício em Coimbra e acusou o PS de estar fechado à sociedade, achando-se autossuficiente, e prometeu, se formar Governo, manter a abertura a independentes da coligação Aliança Democrática (AD).

"Foi com um Governo de esquerda, aliás, um não, três governos de esquerda seguidos, que o Estado social atingiu o seu pior momento desde o 25 de Abril. Foi exatamente agora que o Serviço Nacional de Saúde (SNS), que a escola pública, que as políticas públicas da habitação, da cultura, do desporto, atingiram o seu pior momento", declarou.

Segundo Luís Montenegro, os serviços públicos pioraram, "porque a conceção socialista é entender que o Estado consegue resolver tudo por si, o PS confunde o Estado com o partido e o partido com o Estado, e isso não mobiliza as forças da sociedade".

"Nós temos de mobilizar as forças da sociedade", defendeu, num almoço comício na Escola Básica Eugénio de Castro, em que segundo a organização estavam presentes cerca de 1.500 pessoas.

O presidente do PSD assinalou que era "o primeiro filiado partidário a usar da palavra" neste comício, depois do presidente da Câmara Municipal de Coimbra, José Manuel Silva, antigo bastonário da Ordem dos Médicos, do ex-dirigente do CDS-PP Adolfo Mesquita Nunes e da cabeça de lista da AD neste distrito, a advogada Rita Júdice.

Luís Montenegro apresentou a AD como uma coligação entre PSD, CDS-PP e PPM, que "junta os melhores quadros que os partidos políticos têm, e têm muitos", mas que "junta a isso aquilo que a sociedade tem de melhor".

"É esse o espírito da AD e vai ser esse o espírito do próximo Governo de Portugal", acrescentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+