Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Legislativas 2024

​Habitação mais cara em Grândola do que em Évora. “É uma bomba-relógio”

28 fev, 2024 - 14:49 • Cristina Nascimento

Caravana da CDU passou por Santiago do Cacém. Presidente da Câmara revelou ainda ter dificuldades em contratar trabalhadores em várias áreas.

A+ / A-

Guiado pelo presidente da Câmara de Santiago do Cacém, o líder do PCP Paulo Raimundo visitou quase todos os serviços na sede da autarquia. Álvaro Beijinha, a cumprir o seu terceiro mandato, eleito pela CDU, aproveitou ora para enaltecer obra feita, ora para apresentar dificuldades.

“Cada vez mais temos dificuldade em atrair pessoas para a função pública e isso tem muito a ver com a valorização das carreiras, salários baixos”, explica, acrescentando que o problema afeta quer os quadros técnicos e superiores onde “é muito difícil [contratar], porque um engenheiro em princípio de carreira ganha mil e poucos euros limpos”, quer em “áreas especializadas”, dando como exemplo os eletricistas “porque ganham muito mal”.

Raimundo concorda com o diagnóstico e lembra que “a CDU não vai desistir da questão da valorização dos salários, porque em breve vai ser difícil manter o país, já não é a andar para a frente, é a funcionar”.

Ao entrar no gabinete de estudos e planeamento, Josué Caldeira pediu “dois minutos” para apresentar alguns dados que reuniu sobre habitação.

Citando números do Instituto Nacional de Estatística (INE), Josué Caldeira aponta que a realidade do Alentejo Litoral é “muito diferente” do resto do Alentejo. Aqui, assegura, o preço disparou nos últimos anos.

Nos gráficos apresentados, o metro quadrado em Grândola custava, em 2023, 1.924 euros, já mais do que na capital do distrito Évora (1.874 euros por metro quadrado).

“É um processo brutal que já tem hoje impactos sociais brutais de inacessibilidade à habitação e que não se compara com o resto do Alentejo, é um problema a sério, uma bomba relógio”, assegura.

Paulo Raimundo escutou, agradeceu e seguiu pela visita guiada. A Câmara de Santiago do Cacém tem 700 trabalhadores, 50 milhões de orçamento, uma autarquia sem dívidas, assegurou o presidente que lembrou ainda que, nos idos anos de 1895, o primeiro carro que existiu no país veio para esta zona.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+