A+ / A-

CDS-PP

Nuno Melo é recandidato a líder do CDS. Congresso marcado para abril, antes das europeias

23 fev, 2024 - 21:09 • Susana Madureira Martins

Direção centrista reuniu-se esta sexta-feira e quer que os novos órgãos dirigentes estejam "legitimados" antes das eleições europeias. Objetivo principal está "atingido": o regresso do CDS ao Parlamento.

A+ / A-

Nuno Melo anunciou esta sexta-feira que será recandidato a líder do CDS-PP. A decisão foi anunciada esta sexta-feira à noite durante a reunião do Conselho Nacional do partido, que decorreu na sede, em Lisboa.

Em comunicado enviado à Renascença, o CDS-PP anuncia ainda que o Congresso eletivo do partido ficou marcado para os dias 20 e 21 de abril, ainda sem local definido. É nesse mês que os atuais órgãos de direção dos centristas terá "cumprido o tempo normal de mandato".

Os dirigentes centristas consideram que, precisamente nesse mês, já depois das eleições legislativas de 10 de março, o CDS-PP terá "atingido o principal objetivo", ou seja, o regresso de deputados eleitos à Assembleia da República.

O CDS-PP concorre às eleições legislativas de março pela coligação AD que junta o PSD e o PPM e o presidente centrista, Nuno Melo, será o número dois da lista pelo Porto e o vice-presidente do partido é candidato por Lisboa.

No comunicado divulgado esta sexta-feira, a direção centrista justifica ainda como "importante" que os novos órgãos dirigentes sejam eleitos e "estejam legitimados" antes das realização dás eleições europeias de 9 de Junho.

Recorde-se que Nuno Melo é eurodeputado e o acordo de coligação da AD vale também para as europeias, mas o presidente centrista ainda não adiantou em quem vai o partido apostar nas listas para estas eleições.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+