Tempo
|
A+ / A-

Mortágua sublinha sensatez do adiamento do protesto de GNR e PSP

21 fev, 2024 - 16:19 • Lusa

Coordenadora do Bloco de Esquerda salienta que a luta das forças de segurança não deve condicionar o processo eleitoral.

A+ / A-

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, considerou esta quarta-feira sensato o adiamento dos protestos da GNR e da PSP para depois das legislativas de março, sublinhando que a luta das forças de segurança não deve condicionar o processo eleitoral.

Em declarações aos jornalistas em Braga, à margem de um contacto com os trabalhadores da Bosch, Mariana Mortágua salientou que os protestos daqueles profissionais são legítimos e que o Governo já deveria ter resolvido a questão da "desigualdade" que impôs quando criou um subsídio para a Polícia Judiciária e não o alargou às forças de segurança.

"A maior sensatez era que o Governo resolvesse este problema o mais rapidamente possível. E é óbvio que também é sensato, por parte das forças de segurança, que se manifestem, reivindiquem, mas que não condicionem o processo eleitoral nem possam ter ações que sejam percecionadas como um condicionamento ao processo eleitoral", defendeu.

Para a líder bloquista, "não há razão nenhuma" para que o Governo não resolva rapidamente o problema.

Defendeu também que as forças de segurança têm de ter "um salário condizente" com a importância da sua função para a democracia e "estar à altura dessa importante função para a democracia", protegendo "o maior ato de democracia que são as eleições, a preparação das eleições, os debates eleitorais e o momento do voto".

Alertou que elementos da PSP e da GNR "perdem a razão" quando protestam de uma forma que pode condicionar o funcionamento da democracia.

A coordenadora do Bloco admitiu ainda ser normal o processo aberto na Inspeção-Geral da Administração Interna sobre o desfile e a concentração não autorizada de elementos daquelas forças de segurança na segunda-feira junto ao cineteatro Capitólio, onde decorreu o debate entres os lideres do PS e do PSD.

"Sabemos que em mais nenhuma manifestação isso poderia acontecer e, portanto, acho que as regras devem ser iguais para todas as pessoas que legitimamente se manifestam, todos os profissionais que legitimamente se manifestam em respeito pela ordem democrática e com a força das razões que têm", referiu.

Centenas de polícias concentraram-se na segunda-feira à noite junto ao Capitólio, em Lisboa, onde estava a decorrer um debate entre Luís Montenegro e Pedro Nuno Santos, depois de uma concentração que juntou na Praça do Comércio cerca de 3.000 elementos da PSP e da GNR.

Esta concentração na Praça do Comércio estava autorizada e foi organizada pela plataforma que congrega os sindicatos da PSP e associações da GNR.

O protesto junto ao Capitólio foi marcado nas redes sociais pelo "movimento inop" e não teve a participação da plataforma, sendo também através daquelas redes que foram lançadas todas as diretrizes que os polícias devem seguir.

Os elementos da PSP e da GNR estão em protesto há mais de um mês para exigir um suplemento idêntico ao atribuído à Polícia Judiciária.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+