A+ / A-

Eleições Açores. PS diz que decisão de 2020 coloca especial responsabilidade sobre representante da República

19 fev, 2024 - 14:37

A+ / A-

O presidente do PS/Açores, Vasco Cordeiro, defendeu esta segunda-feira que deve ser o partido mais votado a formar governo na região, mas disse que a decisão tomada em 2020 coloca uma especial exigência sobre o representante da República.

"Esta decisão em 2020 coloca uma exigência acrescida e uma responsabilidade acrescida sobre o senhor representante da República quanto à coerência a manter, face aos resultados destas eleições e a comparação da decisão que agora tomar com a decisão de 2020", afirmou Vasco Cordeiro.

O dirigente socialista falava em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, à saída de uma audição com o representante da República para a Região Autónoma dos Açores, Pedro Catarino.

A coligação PSD/CDS/PPM venceu as eleições regionais, no dia 4, com 43,56% dos votos, mas elegeu 26 dos 57 deputados da Assembleia Legislativa, precisando de mais três para ter maioria absoluta.

O líder do PSD/Açores, José Manuel Bolieiro, transmitiu, no entanto, ao representante da República que a coligação deve formar um governo de maioria relativa, sem acordos com outros partidos.

Vasco Cordeiro disse que "o PS mantém a sua coerência" e defende que "o partido que vence as eleições deve ter a oportunidade de ser o primeiro a submeter-se na assembleia e a formar governo".

No entanto, lembrou que não foi isso que aconteceu em 2020, quando o PS venceu as eleições, também sem maioria absoluta, mas Pedro Catarino indigitou como presidente do Governo Regional o líder do PSD/Açores, que formou uma coligação pós-eleitoral com o CDS-PP e PPM e assinou acordos de incidência parlamentar com Chega e IL, que lhe garantiam 29 dos 57 deputados da Assembleia Legislativa dos Açores.

"Esta situação que nós vivemos e que culminou nas eleições do dia 4 de fevereiro é um comprovativo, no fundo, de que aquilo que foi a decisão tomada em 2020 não foi a decisão correta e, portanto, todo o argumento da estabilidade caiu pela base, em relação àquilo que foi feito", apontou.

O líder do PS/Açores já tinha anunciado que iria votar contra o Programa do Governo e disse, esta segunda-feira, ao representante da República que "mantém essa decisão".

Questionado sobre a possibilidade de esse voto contribuir para o chumbo do documento, inclusive se o Chega também votar contra, Vasco Cordeiro rejeitou responsabilidades, alegando que "quem durante este tempo de campanha eleitoral afirmou não ter qualquer problema com a extrema-direita foi o líder da coligação".

"A responsabilidade relativamente a esta situação não me parece que recaia sobre o Partido Socialista, porque isso seria admitir obviamente que o partido Chega seria o centro ao fundo do qual se tomava esse tipo de decisões e não é", sublinhou.

Quanto às consequências desse eventual chumbo, o líder regional socialista rejeitou comentar.

"Vamos aguardar pela decisão do senhor representante da República e depois teremos obviamente oportunidade de falar sobre aquilo que for a realidade e não elaborar com base em cenários", referiu.

O representante da República dos Açores deverá indigitar o novo presidente do Governo Regional na terça-feira, depois de ouvir todos os partidos com representação parlamentar na região.

De acordo com o número 1 do artigo 81.º do Estatuto Político-Administrativo dos Açores, "o presidente do Governo Regional é nomeado pelo representante da República, tendo em conta os resultados das eleições para a Assembleia Legislativa, ouvidos os partidos políticos nela representados".

O chefe do executivo regional tomará posse perante a Assembleia Legislativa, cuja instalação está marcada para quinta-feira.

Em março de 2023, o deputado único da IL e o deputado independente (ex-Chega) rasgaram os acordos de incidência parlamentar e a proposta de orçamento da região para 2024 foi chumbada, em novembro, com os votos contra de PS, BE e IL e a abstenção de Chega e PAN, o que levou o Presidente da República a convocar eleições antecipadas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+