A+ / A-

Crise política na Madeira

Madeira. "Governo permanecerá em gestão"

17 fev, 2024 - 15:01 • Beatriz Pereira , Diogo Camilo

Ireneu Barreto, o representante da República para a Madeira, considera que esta é "a melhor maneira de assegurar os interesses da região".

A+ / A-

Ireneu Barreto, o representante da República para a Madeira, anunciou na tarde deste sábado, que o "Governo permanecerá em gestão" , porque "tem condições para trabalhar", até que Marcelo Rebelo de Sousa decida, ou não, a convocação de eleições, o que só poderá ocorrer a 24 de março.

"Em suma, considero ser preferível manter a atual situação do XIV Governo Regional - o qual permanecerá em funções de gestão por poucas semanas, eventualmente prolongadas em caso de agendamento de eleições -, a nomear já um novo Governo Regional, que, ainda mesmo antes de conhecer os assuntos pendentes, poderia dentro em pouco entrar também em funções de gestão", afirmou, considerando que é "a melhor maneira de assegurar os interesses da região".

“Caso o Presidente da República entenda não dissolver proximamente a Assembleia Legislativa procederei então à nomeação do Presidente e dos demais membros do Governo Regional”, disse.

Numa comunicação aos jornalistas no Palácio de São Lourenço, na Madeira, Ireneu assumiu que "esta é necessariamente uma decisão precária”.

Questionado sobre o tempo que passou desde a decisão, Ireneu Barreto desvalorizou. “Acha que foi muito? Não acho que tenha sido muito. Deu tempo a todos de pensarem, a mim de pensar, para estar com o Presidente da República e ouvir dele a sua opinião sobre a situação e decidir logo que foi possível”, considerou.

O Presidente da República poderá intervir neste processo, inclusive optando pela dissolução da Assembleia Legislativa da região depois de 24 de março, quando se cumprirem seis meses sobre as eleições regionais.

A crise política na Madeira teve início a 24 de janeiro com uma grande operação policial na região. O líder do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, demitiu-se depois de ter sido constituído arguido no âmbito de um processo em que são investigadas suspeitas de corrupção na região, o que levou à queda do seu executivo, de coligação PSD/CDS-PP, com o apoio parlamentar do PAN.

Nome de Albuquerque será aceite para novo Governo da Madeira

O representante da República para a Madeira, Ireneu Barreto, considera que, com ou sem eleições, aceitará uma eventual indicação do PSD para que Miguel Albuquerque seja presidente de um novo Governo Regional.

“Se amanhã, em qualquer das circunstâncias, ou com novas eleições ou sem novas eleições, o partido mais votado me apresenta, no caso em concreto, o doutor Miguel Albuquerque, eu sou obrigado a aceitá-lo. Não quero usar o direito de veto em relação a ninguém”, afirmou o representante, quando questionado sobre a possibilidade de o social-democrata voltar a ser nomeado chefe do executivo madeirense.
Depois de ter anunciado que vai manter o atual Governo Regional, de gestão, em funções, até Marcelo Rebelo de Sousa decidir se dissolve a Assembleia Legislativa, Ireneu Barreto indicou que tem "dúvidas" sobre recusar um nome apresentado pelo PSD.
“Eu sou o representante da República, mas tenho dúvidas se posso recusar o nome que me seja apresentado pelo partido mais votado”, disse.

[artigo atualizado às 16h58]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+