A+ / A-

Costa diz a professor a viver em carrinha que descongelou carreiras

10 jan, 2024 - 20:44 • Lusa

À margem da inauguração de uma residência para estudantes, o primeiro-ministro foi abordado por um professor de Ponte de Lima que ficou colocado em Elvas e vive numa carrinha.

A+ / A-

O primeiro-ministro voltou esta quarta-feira a recordar que foi o seu Governo que descongelou as carreiras dos professores, após ser abordado por um docente de Ponte de Lima que ficou colocado em Elvas.

Em Barcelos, à margem da inauguração de uma residência para estudantes do Instituto Politécnico do Cávado e Ave, António Costa foi abordado por Rui Garcia, um professor de Ponte de Lima que ficou colocado em Elvas e vive numa carrinha.

"Sabe quem descongelou as carreiras? Fui eu", referiu o líder do executivo, no final da conversa, com alguma tensão, que manteve com aquele professor.

O primeiro-ministro aproveitou para lembrar também a medida que vai ser implementada, segundo a qual um professor fica vinculado ao Estado se cumprir 1.095 dias de serviço.

"A partir desse momento, ficou vinculado ao Estado, é um contrato definitivo, acabou a precariedade", disse.

Até aqui, a regra era cumprir três anos consecutivos completos, o que os professores "dificilmente conseguiam".

Quanto ao local onde os professores vão lecionar, o primeiro-ministro disse que o concurso do próximo ano vai ser "absolutamente decisivo".

"Para aumentar as oportunidades de as pessoas ficarem colocadas mais próximas do local que lhes interessa, houve o desdobramento dos quadros de zona pedagógica e o aumento muito significativo do aumento de vagas postas a concurso", explicou.

Em relação ao apoio de, no máximo, 200 euros aos professores deslocados para o pagamento de rendas de casa, Costa explicou que a opção foi contemplar as duas regiões onde o custo da habitação é "muitíssimo superior" ao do resto do país, concretamente a Área Metropolitana de Lisboa e o Algarve.

"Até agora, não havia apoio nenhum a nenhum professor deslocado", lembrou.

Tratando sempre o primeiro-ministro por "senhor António Costa", Rui Garcia disse que "não é normal" o tempo que demora até à vinculação de um professor.

"Corro risco de me reformar e não estar vinculado", disse, acrescentando que o diploma aprovado "não está adequado ao perfil do professor contratado".

Costa reclamou então para o atual executivo as medidas para resolver o problema dos docentes.

"Eu mudei as regras para resolver o seu problema e o senhor engoliu e nada disse a nenhum dos outros primeiros-ministros", atirou ainda António Costa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anastácio Lopes
    11 jan, 2024 Lisboa 08:44
    Trata-se de mais uma desonestidade intelectual deste político que destas vergonhosas formas se comporta, pois não foi capaz de se oferecer para ser ele e os dele a passar a dormirem em tal carrinha, muito menos teve a humildade que nunca teve para reconhecer o que não fez e deeria ter feito pois foi para isso que pediu o voto aos portugueses que acabou por esbanjar, deixando quase todos mais pobres, sem expetativas profissionais de futuro e sem terem em quem confiarem para dirigir este ainda país.Palavras para quê para qualificar este político que destas vergonhosas formas se comporta para com um português que ainda hoje é vítima das suas decisões a exemplo dos trabalhadores DEFICIENTES que continuam a não se poderem aposentar sem serem penalizados por não deterem um grau de incapacidade igual ou superior a 80% há pelo menos 15 anos, vergonhoso.
  • Mário Rodrigues
    11 jan, 2024 Leiria 04:50
    Mas não diz que foi ele e o Sócrates que as congelaras!...

Destaques V+