A+ / A-

Pedro Nuno Santos diz que não deu "orientações" para compra de ações dos CTT

03 jan, 2024 - 18:20 • Manuela Pires

Antigo ministro das infraestruturas e atual secretário-geral do PS considera que as perguntas devem ser feitas ao Governo.

A+ / A-

Pedro Nuno Santos diz que não tem nada a dizer sobre a compra de ações dos CTT por parte da Parpública para permitir a viabilização do Orçamento do Estado para 2021.

Em declarações aos jornalistas no Parlamento, o antigo ministro das Infraestruturas e atual secretário-geral do PS garante que não deu qualquer indicação às Finanças para comprar participações e diz que as perguntas devem ser feitas ao Governo.

"Era eu que tutelava a pasta, mas não sou eu que dou orientações ao ministro das Finanças e à Parpública. Não há orientação do Ministério das Infraestruturas nem do ministro das Infraestruturas, é só isso que posso dizer. Tem de ser o Governo a dar esclarecimentos, não eu", assevera.

O Jornal Económico noticiou na terça-feira que o anterior Governo, sem o divulgar, instruiu a Parpública a comprar ações dos CTT através de um despacho do então ministro das Finanças, João Leão.

De acordo com o Jornal Económico, a empresa estatal Parpública adquiriu ações dos CTT e essa "compra teve lugar após exigências do Bloco de Esquerda para aprovar o Orçamento do Estado para 2021".

O Bloco de Esquerda, através da sua coordenadora, Mariana Mortágua, e do líder parlamentar, Pedro Filipe Soares, já veio negar ter tido conhecimento dessa compra de ações ou ter feito qualquer negociação com o Governo da altura nesse sentido.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • xico
    04 jan, 2024 lixa 11:55
    Um partido que já deu 3 bancas rôtas, com Mário Soares, em coligação com o PSD, e por fim com o Sócrates, foi o pântano com Guteres, e agora com uma maioria absoluta, com o Costa,que se demitiu por suspeitas de corrupção, está mais que provado que não tem gente capaz para gerir pastas num governo, nem conseguiu fazer qualquer reforma para o desenvolvimento de Portugal.Agora com a figura que tanta polémica deu que falar no caso TAP, será que ainda algum "povo" vai votar neles?Passados 50 anos de "democracia socialista" voltámos ao principio das palavras de ordem do P.R.E.C.,que se ouvem em 2024......saúde, emprego,habitação,justiça, ensino....etc.....
  • ze
    04 jan, 2024 aldeia 09:53
    E o que não sabemos de negociatas feitas pelo PS.......Lentamente vamos tendo conhecimento delas.....Portugal merecia melhores politicos que se dedicassem á causa publica, que lutassem por um país mais desenvolvido, e onde o povo pudesse ter uma vida melhor e mais digna.Vamos ver nestas proximas eleições o que o povo escolhe,fica tudo na mesma ou decide mudar de rumo.
  • Petervlg
    04 jan, 2024 Trofa 08:30
    Com a TAP foi a mesma coisa. um corr...da escola do PS

Destaques V+