Tempo
|
A+ / A-

CTT. Bloco desmente negociação com Governo para aprovar OE

03 jan, 2024 - 18:02 • Manuela Pires

Pedro Filipe Soares garante que é mentira que tenha havido qualquer negociação em troca do voto favorável no Orçamento do Estado.

A+ / A-

Depois das acusações feitas ao longo da tarde pelo Chega, mas também pela Iniciativa Liberal e pelo PSD sobre o envolvimento do Bloco de Esquerda na compra de ações dos CTT por parte da Parpública, o líder parlamentar do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares, veio garantir que é mentira que tenha havido qualquer negociação em troca do voto favorável no Orçamento do Estado, até porque o partido votou contra o referido OE.

"É absolutamente falso que o Bloco de Esquerda tivesse negociado quaisquer compras de ações minoritárias dos CTT com o Governo do Partido Socialista em troco do voto do Orçamento do Estado para 2021. É tão falso que o Bloco de Esquerda votou contra esse Orçamento do Estado e, por isso, não faz sentido nenhum essa insinuação, essa mentira ser propalada porque ela não tem nenhuma adesão à realidade", defende.

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, Pedro Filipe Soares acrescenta que não faz qualquer sentido o Bloco aceitar esse negócio.

"Considerar que acharíamos aceitável que o Estado, pela calada da noite, fosse beneficiar os privados com a compra de ações é, para nós, incompreensível. Não encontro nenhuma justificação. Não esteve nunca nas nossas negociações, isso é o que posso dizer com toda a certeza. E posso também que quem está a tentar tirar dividendos disto é o PSD, que promoveu a privatização por patacos desta empresa, e é o Chega, que é financiado por acionistas desta empresa privada e que está a fazer mal ao país porque não está a defender o interesse público", remata.

[Notícia atualizada às 18h16 de 3 de janeiro de 2024]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+