A+ / A-

Chega e IL querem esclarecimentos sobre compra de ações dos CTT pela Parpública

03 jan, 2024 - 16:12 • Manuela Pires , Diogo Camilo

Partidos consideram que este é um "negócio estranho" e que existem suspeitas de "influência política externa" e querem ouvir Pedro Nuno Santos no Parlamento na próxima semana.

A+ / A-

Depois do PSD, também a Iniciativa Liberal e o Chega querem mais esclarecimentos sobre a compra de 0,25% das ações dos CTT por parte da Parpública, por despacho das Finanças e sem UTAM.

O presidente da Iniciativa Liberal, Rui Rocha, considera que o sector empresarial do Estado não pode ser utilizado para fazer política.

“Sabemos que o setor empresarial do estado tem sido mal gerido. Tivemos a situação da Efacec há pouco tempo, a situação da TAP em que se concretizou interferência política na gerência da empresa, portanto consideramos que isto é muito grave”, afirmou o liberal.

A Iniciativa Liberal pretende, assim, discutir o tema a 10 de janeiro no Parlamento. O Chega quer a discussão no dia seguinte, pretendendo chamar à comissão Pedro Nuno Santos e a ex-líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins.

“É um negócio estranho, em que aparenta haver suspeições de influência política externa, desnecessária e injustificada, para a realização deste negócio. É importante que Pedro Nuno Santos e Mariana Mortágua explicassem esta interferência”, afirmou.

Ao início da tarde desta quarta-feira, o PSD pediu explicações ao secretário-geral do PS, exigindo conhecer o despacho das Finanças para a compra de ações dos CTT.

Em reação à Renascença, a Parpública confirmou uma "participação residual" de cerca de 0,25% no capital dos CTT, que corresponderá a menos de 380 mil ações, adiantando que a mesma será identificada na carteira de participações nos próximos relatórios.

Segundo o jornal Eco, e apesar de a empresa do Estado nunca ter revelado a compra de ações dos Correios, a participação nos CTT é uma das incluídas no Relatório e Contas de 2021, no quadro dedicado a "Outras participações financeiras", com a indicação "Outros" - avaliada, a 31 de dezembro desse ano, em 1,73 milhões de euros.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+