A+ / A-

Bloco de Esquerda diz desconhecer compra de ações dos CTT pela Parpública

03 jan, 2024 - 13:53 • Lusa

"Jornal Económico" noticiou esta quarta-feira que a Parpública comprou ações dos CTT por ordem do Governo e que a "holding" do setor empresarial do Estado mantém participação "secreta" nos CTT, que nunca foi comunicada ao mercado, nem referida nos relatórios anuais.

A+ / A-

A coordenadora do Bloco de Esquerda disse esta quarta-feira desconhecer a compra de ações dos CTT pela Parpública por ordem do Governo para satisfazer alegadas exigências dos bloquistas para viabilizar o Orçamento do Estado para 2021.

"(...) Essa ideia de que o Bloco defende a nacionalização dos CTT é pública, já apresentámos na Assembleia da República, já a levámos a votos. Em particular esta operação de compra, nós desconhecíamo-la, não tinha conhecimento dessa operação de compra", afirmou aos jornalistas Mariana Mortágua, em Porto de Mós (Leiria).

O "Jornal Económico" noticiou esta quarta-feira que a Parpública comprou ações dos CTT por ordem do Governo e que a "holding" do setor empresarial do Estado mantém participação "secreta" nos CTT, que nunca foi comunicada ao mercado, nem referida nos relatórios anuais.

Segundo o jornal, a compra teve lugar após exigências do Bloco para viabilizar o Orçamento do Estado para 2021.

"Está a dizer-me uma novidade: que é uma promessa que tinham feito ao Bloco de Esquerda. Eu própria não sabia", assegurou, quando questionada sobre o assunto.

Mariana Mortágua explicou que o Bloco, em 2021, "centrou as suas negociações orçamentais em 12 propostas", num "último esforço para aprovar um Orçamento do Estado", propostas "centradas na saúde e no trabalho".

"Essas propostas são públicas, eram conhecidas, nenhuma delas dizia respeito aos CTT", declarou a dirigente do Bloco.

O Bloco votou contra o orçamento de 2021, que acabaria por ser viabilizado com os votos do PS e as abstenções do PCP, PEV e PAN e das deputados não inscritas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues.

Reiterando que desconhecia a compra de uma participação dos CTT pela Parpública", Mariana Mortágua destacou que o partido é favorável "à recuperação dos CTT para o povo, para o país".

À pergunta se tal recuperação pode ser através da compra das ações, Mariana Mortágua respondeu que "a melhor forma de recuperar o poder público dessa empresa tem de ser estudada".

A dirigente bloquista apontou para uma "forma que proteja o erário público e que proteja a empresa que tem sido delapidada pelos seus acionistas privados".

O jornal "ECO" acrescentou que a Parpública tem uma "posição residual" de cerca de 0,25% no capital dos CTT, que corresponderá a menos de 380 mil ações, apurou o ECO.

"Apesar de a empresa do Estado nunca ter revelado a compra de ações dos Correios, o ECO apurou que a participação nos CTT é uma das incluídas no Relatório e Contas de 2021, no quadro dedicado a "Outras participações financeiras", com a indicação "Outros" - avaliada, a 31 de dezembro desse ano, em 1,73 milhões de euros", esclareceu o ECO.

Para Mariana Mortágua, "uma participação que não chega a 2% não confere ao Estado nem um poder de controlo, nem a recuperação dos CTT para as mãos do país".

"O que era importante era discutirmos como é que setores estratégicos, como o caso dos CTT, podem ser recuperados para as mãos do povo", frisou, classificando como disparate e erro a privatização dos CTT.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+