Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Renovadores comunistas querem reeditar Geringonça e formar Governo

16 dez, 2023 - 09:13 • Lusa

Os renovadores comunistas pedem que a esquerda se entenda após as eleições legislativas e formar um governo de coligação, considerando que é a única maneira de o país "retomar uma dinâmica de progresso".

A+ / A-

Os renovadores comunistas pedem que a esquerda se entenda para reeditar a Geringonça após as eleições legislativas e formar um governo de coligação, considerando que é a única maneira de o país "retomar uma dinâmica de progresso".

"Importa assumir que o futuro do país depende da retoma do processo de convergência entre a esquerda e o centro-esquerda, reeditando agora com desejável sucesso o que foi o compromisso de 2015", lê-se no livro "Do pensamento renovador ao Movimento de Ação Política", que irá ser publicado em breve e evoca o 20.º aniversário da associação Renovação Comunista.

Em declarações à Lusa, o presidente da associação, Paulo Fidalgo, defendeu que Portugal, "para retomar uma dinâmica de progresso, de avanço, desenvolvimento e correção das assimetrias sociais, precisa de uma nova governação".

Para o ex-comunista, "a direita não tem quaisquer condições de garantir estabilidade", por estar "profundamente fragmentada e não ter projeto", pelo que "é no seio da esquerda que uma solução tem de surgir".

Essa solução "tem de surgir com grande importância por parte do PS, que é uma força muito significativa, mas também não pode o PS excluir o resto da esquerda", sustentou. .

O presidente da Renovação Comunista considerou que PS, PCP e BE devem "retomar um processo negocial que vise a constituição de objetivos sociais e económicos concretos e quantificados, para uma legislatura", e acrescentou que, caso haja uma maioria de esquerda após as legislativas, o ideal era que fosse formado um executivo de coligação com membros dos três partidos.

"Acho que um dos problemas da "geringonça" foi o fraco envolvimento do BE e do PCP na constituição das políticas e no Governo, e na não participação no Conselho de Ministros, porque, porventura, aqueles acordos cingidos exclusivamente ao Orçamento foram muito limitados", referiu.

O presidente da Renovação Comunista admitiu que a forma como a convergência à esquerda terminou em 2021, com o chumbo desse Orçamento do Estado, pode constituir "um certo trauma" para reeditar uma "geringonça", mas observou que, "muitas vezes, os acontecimentos são primeiros tentados, e depois efetivados", considerando que o acordo à esquerda em 2015 poderá ter sido um "primeiro ensaio".

Da mesma maneira, Paulo Fidalgo considerou que as recentes divergências entre PCP e BE e o PS durante a maioria absoluta - designadamente no que se refere a temas como a privatização da TAP ou a reposição integral do tempo de serviço dos professores - não constituem entraves a uma nova "geringonça".

"Se é verdade que possam ter surgidos aspetos de confrontação e divergência, eu acho que o evolucionismo histórico é muito pressionado pelas circunstâncias e vai com certeza gerar uma situação, no dia 10 de março, em que a esquerda e o centro-esquerda são confrontados com a necessidade de fazer um acordo para a governação de Portugal", frisou. .

Também no que se refere às diferenças em termos de política externa, Paulo Fidalgo disse que pode vir a ser "um obstáculo e dificuldade", mas tem de haver uma gestão com "habilidade suficiente" para que, em certos aspetos, haja acordo e noutros não.

"Os comunistas portugueses fizeram parte do Governo da NATO em 1974. E, portanto, as dificuldades de entendimento na situação geopolítica não terão de inibir a celebração de compromissos", disse. .

Paulo Fidalgo observou que, até ao momento, nenhum dos líderes partidários do PCP e BE, nem dos candidatos à liderança do PS, recusou uma reedição da geringonça, o que mostra que estão "muito cautelosos" perante uma realidade que, após as eleições, poderá impor "alinhamentos e soluções".

"O meu desejo é que os portugueses, se votarem na esquerda, tenham um horizonte de governabilidade. (...) O país não perdoará a estes partidos uma falta de entendimento na constituição de um Governo", afirmou. .

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+