Tempo
|
A+ / A-

PCP acusa liberais de aderirem “à moda da motosserra” para cortar TAP aos pedaços

24 nov, 2023 - 12:41 • Manuela Pires

No segundo dia de discussão do orçamento do estado na especialidade, a recuperação do tempo de serviço dos professores e o dinheiro injetado na TAP motivaram um aceso debate no plenário da assembleia.

A+ / A-

A proposta da Iniciativa Liberal para que o Estado devolva a cada português os 3,2 mil milhões de euros que injetou na TAP foi chumbada na comissão de orçamento e finanças, e voltou a ter o mesmo resultado esta manhã na votação em plenário, com os votos contra do PS, PCP, Livre e Bloco de Esquerda e a abstenção do PSD, Chega e PAN.

João Cotrim Figueiredo defende que o Governo deve devolver aos cidadãos os montantes obtidos com a privatização da TAP. O deputado liberal tem a certeza que não se vai recuperar a totalidade do dinheiro da nacionalização e desafia os partidos a dizerem na campanha eleitoral o que vão fazer com a companhia aérea.

“Senhores deputados, querem eleitoralismo nesta altura então coloquem nos vossos programas o que querem fazer à TAP e digam aos portugueses que não vão ver nem metade do dinheiro de volta. Para nós, é claro, todo o cêntimo gerado pela venda da TAP deve ser devolvido aos portugueses” disse João Cotrim Figueiredo.

Do lado oposto do plenário, o partido comunista contesta esta ideia e o deputado Bruno Dias acusa a Iniciativa Liberal que aderir “à moda da motosserra” numa alusão a Javier Milei, o presidente eleito da Argentina.

“O que a Iniciativa Liberal nos apresenta, talvez aderindo à nova moda da motosserra é desmontar a TAP e dar a cada português uma pecinha de um avião para souvenir. Querem rifar a companhia aérea de bandeira querem entregar a cada um de nós uma peça de um reator para que a gente se lembre que em tempos houve uma companhia aérea de bandeira” referiu o deputado comunista Bruno Dias que aponta o papel estratégico da TAP no desenvolvimento do país e na sua soberania.

O líder parlamentar do partido Socialista também se juntou à discussão acesa no plenário para defender a atuação do governo na companhia aérea.

“Quando queremos uma TAP pública como um elemento central e estratégico, ainda que integrado em grandes grupos internacionais e alianças internacionais, os senhores dizem que não é suficiente” disse Eurico Brilhante Dias dirigindo-se à Iniciativa Liberal.

O líder parlamentar do PS defendeu ainda o governo no que toca à defesa dos professores. O PCP apresentou uma proposta para a contabilização integral do tempo de serviço dos professores, mas acabou e novo rejeitada em plenário com a abstenção do PSD.

O deputado social-democrata António Cunha não gostou das acusações feitas pelos comunistas e disse que “hipocrisia é terem apoiado o Governo durante a geringonça e nunca terem colocado essa como uma condição para que continuassem a governar”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Correto
    24 nov, 2023 Paços 15:52
    Hoje em dia com tantas companhias a operar em Portugal, não faz sentido manter nem 1% da TAP! Era privatiza-la toda e se um dia estiver em dificuldades económicas, é deixar ir à falência! Cortar completamente o cordão umbilical! Nem mais um tosto!
  • EU
    24 nov, 2023 PORTUGAL 14:06
    Não sou Liberal. Não sou Chega. Alertei para o PERIGO que aí vinha com o Chega. Mas, Senhor Deputado do PARTIDO da futura GERINGONÇA, eu não tenho nada com a TAP e PAGUEI para ela estar de PÉ. Por acaso e SÓ por ACASO tenho TRÊS moto-serras em casa, mas são para derrubar PINHEIROS e não cortar NOTAS de dinheiro.

Destaques V+