Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

António Costa: “Temos de reduzir o recurso excessivo a horas extraordinárias” no SNS

06 nov, 2023 - 08:59 • Olímpia Mairos

Num texto de resposta a um outro artigo de opinião de António Sarmento, do Hospital de S. João, António Costa assume que, agora que o país tem mais recursos financeiros e humanos, seria inexplicável que as energias não se concentrassem no sucesso da reforma do SNS.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta segunda-feira, num artigo de opinião no Jornal Público, que é necessário reduzir o recurso excessivo a horas extraordinárias no Serviço Nacional de Saúde.

“Temos de reduzir o recurso excessivo a horas extraordinárias. Este é um problema simultaneamente dos profissionais que as fazem, mas também do sistema”, entende António Costa.

Na visão do primeiro-ministro, a pedra chave da reforma do SNS está, por isso, “na combinação do alargamento da capacidade de atendimento e dos horários dos centros de saúde e na aposta na referenciação preferencial para as urgências, através da linha de Saúde 24”.

“Como também o é o modelo de horário dos médicos, que garanta o descanso compensatório do trabalho de urgência, mas também a efetividade do seu horário normal de trabalho”, acrescenta, assinalando que são estas “dimensões que contribuem para a diminuição do recurso a horas extraordinárias e para a redução da contratação de tarefeiros”.

António Costa recorda que “o recurso massivo a horas extraordinárias na prestação de cuidados de saúde assenta, em grande medida, num défice de décadas na formação de médicos”, e defende que resposta está na criação de mais cursos de medicina e de mais vagas nas universidades.

“É um imperativo que todos os que têm responsabilidades próprias nesta área não deixem de dar o seu contributo”, sinaliza.

Num texto de resposta a um outro artigo de opinião de António Sarmento, do Hospital de S. João, António Costa assume que, agora que o país tem mais recursos financeiros e humanos, seria inexplicável que as energias não se concentrassem no sucesso da reforma do SNS.

O primeiro-ministro diz ainda que não tem “a menor das dúvidas de que a garantia de termos um SNS com as características como as que consagrámos na nossa Constituição depende da capacidade de todos nos mobilizarmos na reforma da sua organização”.

“Agora que temos mais recursos financeiros e mais recursos humanos, seria inexplicável que não concentrássemos as nossas energias no sucesso da reforma da sua organização. Como sempre, com o envolvimento ativo dos profissionais de saúde, cujas carreiras e condições de trabalho estamos a valorizar”, conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anastácio José Marti
    06 nov, 2023 Lisboa 13:19
    Como mais uma prova das incompetências e irresponsabilidades deste ainda Primeiro Ministro está esta sua afirmação ao afirmar que "Temos de reduzir o recurso excessivo a horas extraordinárias” no SNS, o que é impossível de ser feito enquanto impuser a quem trabalha no Estado uma deplorável gestão de Recursos Humanos que de gestão nada tem, enquanto impuser ordenados do século XIX, Avaliações de Desempenho que nada mais são do que uma farsa e apenas servem para promover os amigos, familiares e conhecidos em detrimento de todos os outros, não havendo por isso, estimulo, motivação ou empenho alguns enquanto estas vergonhas nacionais nos forem impostas, as quais, são apenas e só uma imagem de marca dos que são pagos para saberem dirigir e que nos provam diariamente nunca nada nem nu«inguém saberem dirigir, tal a politização da Administração Pública, ao ponto de terem aberto um concurso para 1000 Técnicos Superiores, quando, simultaneamente, têm nos seus quadros trabalhadores DEFICIENTES licenciados que continuam a ser impedidos ilegalmente de ingre ssarem na mesma carreira de Técnico Superior e assim verem as suas carreiras queimadas é esta vergonha admissível num suposto Estado de Direito que trata tão desumanamente os seus trabalhadores DEFICIENTES?

Destaques V+