A+ / A-

PCP vai entregar a Costa abaixo-assinado com 100 mil assinaturas a exigir mudança de políticas

05 nov, 2023 - 16:39 • Lusa

"O PS e a direita têm as mãos manchadas nas privatizações da TAP e da Efacec", acusou Paulo Raimundo.

A+ / A-

O secretário-geral do PCP anunciou este domingo que o primeiro-ministro vai receber um abaixo-assinado com 100 mil subscritores a exigir uma inversão das políticas do Governo, e acusou PS e a direita de terem as mãos manchadas nas privatizações.

Paulo Raimundo falava no final de um almoço comício nos Bombeiros Voluntários de Vila Franca de Xira, num discurso em que considerou que a proposta de Orçamento do Estado para 2024 serve a direita e os grandes grupos económicos em prejuízo dos trabalhadores e em que também antecipou que o Governo vai recuar no aumento do Imposto Único de Circulação (IUC).

Dirigindo-se a centenas de militantes e simpatizantes do PCP, Paulo Raimundo considerou essencial uma ação "pelo aumento dos salários e pensões, pelo direito à saúde e à habitação, em defesa dos serviços públicos, da creche gratuita para todas as crianças, pela soberania e o desenvolvimento, subscrevendo o abaixo-assinado dirigido ao primeiro-ministro".

"Queremos e vamos recolher 100 mil assinaturas para confrontar o Governo com essas exigências tão importantes para a vida dos trabalhadores, dos jovens e dos reformados e pensionistas. Vamos para a frente, vamos tomar ainda mais a iniciativa, vamos ao contacto, nas empresas, nos bairros, nas freguesias, nos prédios, nos transportes, em todos e em cada um dos locais, mas vamos também testar a capacidade de cada um de nós", desafiou.

Paulo Raimundo foi ainda mais longe no apelo à mobilização dos militantes e simpatizantes comunistas: "É preciso que cada um de nós se assuma como militante desta tarefa coletiva, que cada um assuma que pegando na lista de assinaturas fala com os seus vizinhos, fala com os seus colegas de trabalho, fala com quem se cruza nos transportes, fala com quem está todos os dias" completou.

No seu discurso, além de reiterar críticas à proposta orçamental do executivo do PS - usando a ironia de que "é tão boa que deixa PSD, CDS, Chega e IL sem assunto" -, o secretário-geral do PCP referiu-se às projetadas privatizações na Efacec e na TAP.

"O PS e a direita têm as mãos manchadas nas privatizações da TAP e da Efacec", acusou, falando mesmo em "crimes económicos".

"O Estado, cada um de nós, transferiu para a Efacec milhões de euros, ao que acrescem agora mais 200 milhões de euros. Empresa limpa, capitalizada, com contratos e, perante isto, qual é a opção? O comprador alemão adquire a empresa com o próprio dinheiro da empresa. Já vimos este filme na TAP e não foi assim há tanto tempo. E vamos ver se não é uma manobra deste tipo que também se pretende para a TAP", advertiu.

Antes de ter prometido um combate a estas projetadas privatizações, o secretário-geral do PCP responsabilizou o Governo pela progressiva degradação do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e insurgiu-se contra "a imoralidade da transferência pelo Estado de oito mil milhões de euros para o negócio da doença", ou seja, para a saúde privada.

"É preciso travar o desmantelamento que está em curso do SNS - e daqui deixamos o apelo a que se intensifique esta luta. Utentes e profissionais estão unidos na defesa do SNS, este é um elemento determinante que o Governo quer quebrar, tentando criar uma clivagem artificial entre utentes e profissionais", afirmou, aqui numa alusão indireta às negociações em curso ainda sem resultados entre o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, e os sindicatos.

Paulo Raimundo manifestou-se depois confiante de que o Governo que não vai conseguir criar essa clivagem, "porque os utentes sabem e conhecem por experiência própria o esforço, o empenho, a dedicação de médicos, enfermeiros e de todos os profissionais que todos os dias garantem, com muitas dificuldades e com demasiadas horas de trabalho, o funcionamento do SNS".

Em relação à situação internacional, o secretário-geral do PCP voltou a condenar o ataque militar de Israel na Faixa de Gaza.

"Quem não atuar é cúmplice", sustentou.

Para o líder comunista, o mundo está perante "um massacre que se desenrola ao mesmo tempo que desfilam nas televisões a hipocrisia, o cinismo e a mais clara cumplicidade com esse mesmo massacre em curso".

"Não há tolerância, não há compreensão possível face ao que está em curso, não há paciência para as lágrimas de crocodilo que, aqui e ali, se vão derramando", acrescentou.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anastácio José Marti
    06 nov, 2023 Lisboa 13:25
    Que moral tem este sujeito e o seu PCP de exigir seja que mudança for, quando, mesmo após ter feito parte do governo da Geringonça e nada ter feito até hoje, 6/11/2023, para terminar com a vergonha que é, uma década passada desde a saída da Troika do país, com os imorais e desonestos descontos para a CGA, ADSE, IRS, etc, sobre os Subsídios de Férias e de Natal de quem trabalha, mantendo-se uma década passada esta mesma vergonha com as cumplicidade e apoio do mesmo PCP que tanto alega defender quem trabalha e nada prova que o faz como este vergonhoso exemplo disso nos faz prova ainda hoje. Até quando PCP e restantes partidos da oposição?

Destaques V+