A+ / A-

OE2024

PCP quer que promoções de militares em atraso sejam pagas com retroativos

03 nov, 2023 - 08:22 • Lusa

Na sua proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2024, o PCP propõe que as promoções passem a ter "efeito retroativo, nomeadamente para efeitos remuneratório, referente à data de antiguidade, independentemente do momento em que venha a ocorrer".

A+ / A-

O PCP quer que as promoções dos militares que estejam em atraso sejam pagas com retroativos e que se atualize o sistema redistributivo das Forças Armadas, acusando o Governo de "conversa de propaganda" sobre a matéria.

Estas duas propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2024 foram apresentadas pelo PCP no dia em que a ministra da Defesa, Helena Carreiras, vai ser ouvida no parlamento no âmbito de uma audição orçamental.

Em declarações à Lusa, o deputado do PCP João Dias disse que, atualmente, os militares em regime de contrato ou do quadro permanente das Forças Armadas são muitas vezes promovidos no início do ano, mas só recebem a atualização salarial correspondente após a publicação em Diário da República.

Isso "leva a que, muitas vezes, os militares estejam alguns meses a aguardar que seja publicado em Diário da República. Isso tem prejuízos e, muitas das vezes, arrasta-se de tal maneira que atinge dois ou três mil euros facilmente, tendo em consideração os meses que estão atrasados", disse.

Na sua proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2024, o PCP propõe assim que as promoções passem a ter "efeito retroativo, nomeadamente para efeitos remuneratório, referente à data de antiguidade, independentemente do momento em que venha a ocorrer".

"Isto que nós colocamos é da mais elementar justiça: a partir do momento em que um militar passa a um novo posto, passa a ter também reflexos no seu salário", referiu João Dias.

Estes atrasos nas promoções têm sido recorrentemente denunciados pelas associações profissionais de militares desde 2011. Este ano, em abril, o Governo anunciou que o plano de promoções nas Forças Armadas para 2023 tinha sido aprovado, num total 5.825 efetivos.

Atualização do sistema redistributivo dos militares e dos respetivos subsídios

A par desta medida, o PCP propõe também que o Governo proceda à atualização do sistema redistributivo dos militares das Forças Armadas e dos respetivos subsídios, "de forma a criar as condições de equilíbrio salarial justas entre os militares das diversas patentes".

Nesta proposta, o partido sugere que essa atualização seja feita em diálogo com as associações profissionais de militares, "garantindo-lhes os direitos de representação e negociação coletiva, designadamente nas questões remuneratórias e do seu estatuto profissional".

À Lusa, João Dias indicou que o sistema redistributivo não é atualizado desde 2009, o que cria uma situação de "injustiça absolutamente inaceitável de estagnação do rendimento", e referiu que a proposta do PCP visa também o "suplemento da condição militar".

O deputado comunista manifestou preocupação com o facto de haver "diferenças profundas entre os suplementos e as componentes remuneratórias dos militares", com casos em que uma "patente mais elevada recebe, de suplemento de condição militar, tanto ou mais do que o salário de outros militares em patentes inferiores". .

"É uma situação que gera descontentamento no seio das Forças Armadas e é preciso que o Governo ponha, de uma vez por todas, um ponto final nisto", defendeu. .

João Dias sustentou que estas duas medidas "trariam outra condição de fixação e de atratividade dos militares e outra satisfação" e considerou que a conversa do Governo sobre a matéria é "pura propaganda".

"Aquilo que continuamos a perceber é que o Governo não está interessado em valorizar os militares da mesma forma como o apregoa. Se eles efetivamente estivessem interessados, estariam a criar condições para termos mais jovens a aceder à vida militar e para valorizar a carreira militar. Não é isso a que assistimos", referiu. .

João Dias defendeu que tanto a questão das promoções como do suplemento da condição militar são "fundamentais para valorizar as carreiras" e "iriam muito no sentido daquilo que proclamam os profissionais militares".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anastácio José Marti
    03 nov, 2023 Lisboa 15:48
    Quando parará o PCP com as suas incoerências exigindo tudo para uns e nada para outros, uma vez que ao fim de uma década, nunca nada exigiu ao Governo que devolvesse os Subsídios de Férias e de Natal por inteiro a quem a eles tem direito, o mesmo é dizer para que deixe de fazer incidir sobre os mesmos os imorais descontos para a ADSE, CGA, IRS, etc, são estas as formas sérias de algum partido político que alega defender quem trabalha provar que o faz à sociedade e ao mundo?

Destaques V+