A+ / A-

Crise no sns

Paulo Raimundo acusa Governo de estar a seguir caminho de desmantelamento do SNS

09 out, 2023 - 09:59 • Lusa

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, acusou, esta segunda-feira, o Governo de seguir um caminho de desmantelamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e de encerramentos de unidades hospitalares.

A+ / A-

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, acusou esta segunda-feira o Governo de seguir um caminho de desmantelamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e de encerramentos de unidades hospitalares.

Paulo Raimundo falava durante uma ação de contacto com utentes do Centro de Saúde da Quinta da Lomba, no Barreiro, no âmbito da campanha "Viver melhor na nossa terra" e durante a qual se deparou com uma longa fila de doentes para conseguir uma consulta.

A primeira pessoa da fila estava à porta do centro de saúde desde a meia-noite e meia para garantir uma das 49 vagas disponíveis para esta segunda-feira.

"É chocante ver um senhor com quase 70 anos, de canadianas, chegar aqui à meia-noite e meia para ter uma consulta. Não vale a pena estar a fazer muitos mais comentários porque a imagem vale por si", disse.

O secretário-geral do PCP afirmou que esta é uma das muitas situações que tem verificado no terreno nas várias visitas que fez, considerando que são exemplos de um caminho que está a ser feito pelo Governo de desmantelamento do SNS.

Questionado sobre o papel da direção executiva do SNS, Paulo Raimundo respondeu que se encaixa nos objetivos do Governo de desmantelar o SNS, "estando em grande vapor nesse objetivo".

A resolução destes problemas, adiantou, passa pela valorização dos profissionais de saúde, respeitando-os e criando condições para poderem trabalhar.

"As coisas só não estão piores por causa deles. É preciso criar condições de trabalho e financeiras para que se fixem no SNS", disse adiantando que são eles que aguentam o SNS.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+