Tempo
|
A+ / A-

Confederação do Comércio

Aumento do salário mínimo em 2024. “Está tudo nas mãos do Governo”

03 out, 2023 - 09:02 • Redação

O presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, João Vieira Lopes, não comenta a sugestão da CIP do 15º mês.

A+ / A-

O presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João Vieira Lopes, aceita que se discuta a subida do salário mínimo para mais de 810 euros, mas sublinha que a decisão caberá sempre ao Governo.

“Neste momento, está tudo nas mãos do Governo”, diz o dirigente empresarial à Renascença.

António Costa disse à TVI/CNN Portugal que não vai ser o Governo a resistir ao aumento do salário mínimo e a subida é, de facto, uma possibilidade. “Temos de continuar a seguir essa trajetória com bom senso", declarou.

O Conselho Nacional das Confederações Patronais propôs ao governo um conjunto de propostas, as quais a CCP subscreve. “Se o Governo der abertura suficiente para essas propostas, nós aceitamos discutir a questão do salário mínimo. Não há qualquer compromisso mas a abertura que o Governo tiver para as propostas das Confederações é o elemento determinante para saber se essa discussão se abre ou não”, adverte o presidente da CCP.

Quando questionado sobre a proposta da CIP para a criação de um "15.º salário", o líder do Governo diz que é possível "uma aproximação" à ideia. João Vieira Lopes afirma ser uma proposta feita “fora da Constituição Social”. Nesse sentido, “não está contida no documento das propostas e, neste momento, estamos centrados em discutir o documento conjunto. Fora disso, da parte da CCP, não fazemos qualquer comentário”, conclui.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+