Tempo
|
A+ / A-

Ministro da Educação admite dificuldades em preencher horários de algumas disciplinas

02 set, 2023 - 12:18 • João Pedro Quesado

João Costa diz que um horário por preencher já é demais e que "ninguém tem o direito" de, com greves, "prejudicar mais" alunos que já sofreram com a pandemia.

A+ / A-

O ministro da Educação admitiu, este sábado, que há dificuldades no preenchimento dos horários de algumas disciplinas, como Informática e Geografia, mas diz que esta dificuldade é sentida "todos os anos". João Costa considera que "ninguém tem o direito" de "prejudicar mais" alunos que já sofreram com a pandemia.

Em declarações à RTP, João Costa revelou que os grupos de recrutamento com maior dificuldade, "sobretudo na região de Lisboa", são os de Informática, Geografia, Físico-Química, Biologia e ainda de Matemática.

Acerca dos 400 horários por preencher, o ministro da Educação considerou que "um horário é um número elevado", e que "o Governo está preocupado" e "toda a gente está preocupada" quando há um horário por atribuir.

João Costa considera que a falta de docentes não é um problema exclusivamente português, e destacou que o Governo tem a intenção de "acelerar a formação de professores", sublinhando o aumento de candidatos aos cursos de educação.

O ministro declarou que "os sinais são positivos" e que, em dois anos, houve "um aumento de 45% dos alunos inscritos nos cursos de educação básica". "Temos uma grande procura e uma grande pressão sobre algumas instituições nos mestrados em ensino, portanto, significa que os jovens estão novamente a olhar para a profissão de futuro", disse.

Sobre as greves, cujo regresso à Educação já está marcado, o responsável desejou que "haja o bom senso de perceber que os alunos não podem ser mais prejudicados", e salientou que está é "uma geração de alunos que teve dois anos de pandemia, que já teve um ano com perturbações, e ninguém tem o direito, seja qual foi a nossa preocupação, de prejudicar mais estes alunos".

"Se o objetivo for apenas a luta, ninguém está interessado em soluções. Não há qualquer recusa negocial por parte do Governo. Ninguém defende um serviço público mantendo-o paralisado", declarou João Costa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Assunção Leitões
    05 set, 2023 Montijo 13:37
    sr. Ministro a sua conversa é meramente politica PS, porque para o PS a Educação nunca foi e nao será uma prioridade. O sr. Ministro tem memória curta, não são os PROFESSORES que não têm bom senso, são o senhores, o Governo PS. Estou no ensino à 36 anos passei por: 2 congelamentos Governo PS; reestruturação da carreira docente, encontrava-me no 7 escalão passei para o 4 escalão sem perda de vencimento Governo PS; Avaliação de Professores uma vergonha, premia-se o amiguismo, vão-se fazendo despachos para branquear quem não faz nada em prol da educação, os que trabalham quere a nivel do conhecimento dos alunos quer no âmbito da cidadania e de preparar para os seus percurso académicos ficam nas quotas, Governo PS. Eu com 64 anos passei por tudo isto e estou agora na esperança de poder chegar ao 8 escalão. O sr Ministro e o Governo não se façam de santos, não procurem como sempre o fazem denegrir a imagem dos PROFESSORES. Fui militante do PS e tenho vergonha desta gentalha que tomou conta do PS, o meu apelo é que os Professores, as familias os portugueses que não são burros nem estúpidos, que pensem na hora de votar, e o PS tenha respeito pelos portugueses parem de campanhas eleitoralistas medidas eleitoralistas e façam um BOM plameamento resolvam os problemas porque a continuar com politicas do desenrasca mais ano menos ano é apenas um país de velhos refém das politica socialistas.

Destaques V+