Tempo
|
A+ / A-

"Mais armas e mortes". Líder do PCP critica Marcelo sobre guerra na Ucrânia

02 set, 2023 - 18:06 • Lusa

"O senhor Presidente da República, a partir das opções naturalmente que tem, fez uma opção, uma opção de reafirmar todos os caminhos que, no fundo, têm instigado a guerra", acusa Paulo Raimundo.

A+ / A-

O secretário-geral do PCP considera que a posição assumida pelo Presidente da República quando visitou a Ucrânia contribui para um caminho de "mais armas" e "mais mortes", apontando que não deixou "nem uma palavra de paz".

"Eu acho que o senhor Presidente da República, a partir das opções naturalmente que tem, fez uma opção, uma opção de reafirmar todos os caminhos que, no fundo, têm instigado a guerra. Eu penso que não é isso que serve nem ao povo português, e muito menos ao povo ucraniano e ao povo russo", afirmou Paulo Raimundo.

O líder do PCP falava aos jornalistas no segundo dia da Festa do Avante!, à margem de uma visita à bienal de artes plásticas.

Instado a clarificar como é que o Presidente da República, com a sua visita à Ucrânia, instigou a guerra, Paulo Raimundo afirmou: "Eu não disse que instigou, o que eu disse foi que tudo aquilo que afirmou, todos os posicionamentos que teve, acabaram por contribuir neste caminho, que é um caminho de mais armas, mais munições, mais destruição e a consequência disso, mais mortes".

"Nem uma palavra da paz, que é aquilo que a gente precisa", criticou.

O Presidente da República visitou a Ucrânia na semana passada e defendeu, perante o Presidente Volodymyr Zelensky, que o futuro daquele país será "na União Europeia e na NATO".

O PCP foi o único partido que se opôs à ida de Marcelo Rebelo de Sousa àquele país em guerra.

O secretário-geral comunista reafirmou hoje a posição do partido: "Nós não dissemos que não concordávamos, o que nós dissemos foi uma coisa simples: se a visita do Presidente da República à Ucrânia contribuir para a construção do caminho da paz, então muito bem, faz sentido, se for envolvida numa dinâmica de construção e de instigação da guerra, então não serve para nada".

Marcelo surpreende ao discursar em ucraniano nas cerimónias do Dia da Independência
Marcelo surpreende ao discursar em ucraniano nas cerimónias do Dia da Independência

Paulo Raimundo realçou que a posição do partido "é a posição de sempre, pela paz, e fazer tudo para a construção da paz".

"É uma posição está a ganhar espaço e vai ganhar o espaço maioritário na sociedade portuguesa, não há dúvida, porque o povo quer a paz, não quer a guerra", defendeu, considerando ser necessário que "os órgãos, em particular os órgãos de soberania nacionais, invistam na paz e não na guerra".

O líder comunista considerou que "é preciso forçar que todos os intervenientes na guerra se sentem à mesa", apontando que as conversações podem ser mediadas por países como o Brasil, China, Índia ou até pelo Vaticano, "que já predispuseram" a isso e são nações que se pronunciaram no "sentido da construção da paz".

"Eu acho que não é por falta de vontade desses que a guerra continua, acho que é por vontade daqueles que insistem na instrução da guerra, que é um desastre, em particular para o povo ucraniano e para o povo russo, mas com consequências para cada um de nós, como nós sabemos", defendeu.

"A partir do momento em que temos uma parte significativa de chefes de Estado de países de grande importância que conseguem falar duas, três, quatro, cinco, mil vezes sobre o assunto sem utilizar uma vez a expressão paz, sem abrir um único caminho que seja para a paz, eu acho que isso é uma evidência que por aí não vamos", criticou.

Apesar da crítica, o secretário-geral do PCP indicou que a Festa do Avante! tem as portas abertas para Marcelo Rebelo de Sousa, assim como outros atores políticos, como o ex-ministro Pedro Nuno Santos, salientando que ambos já marcaram presença na "rentrée" comunista noutros anos.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro de 2022 pela Rússia na Ucrânia causou, de acordo com os mais recentes dados da ONU, a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa - justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    03 set, 2023 Lisboa 11:49
    O que o PCP e não só, nunca pensaram, foi que a Ucrânia fizesse frente ao gigante de pés de barro que é a Rússia. Até me lembro de a Raquel Varela aconselhar na TV a Ucrânia a render-se, pois no final haveria de se fazer o que a Rússia queria e pelo menos aí evitar-se-iam muitas mortes - a preocupação dela com os ucranianos é tão comovente ... Ano e meio depois, a Ucrânia já libertou 50% do território que a Rússia ocupou no início da guerra e está na ofensiva. À russia restam disparos de misseis e drones a centenas de Km de distancia sobre alvos civis, e quando a Ucrânia tiver misseis e drones em numero suficiente e aviões de 4ª geração - F-16 e Saab Gripen - na sua posse, nem isso lhes restará, pois aí a Ucrânia também pode ripostar a centenas de Km e destruir essas plataformas. Querem a Paz, PCP e companhia? Digam aos invasores russos que façam as malas e se retirem para o lado deles das fronteiras internacionalmente reconhecidas. A Guerra cessa de imediato. Não largam o "suculento bocado" da Ucrânia que (ainda) ocupam? Então continua a pancadaria.

Destaques V+