Tempo
|
A+ / A-

Operação "Tempestade Perfeita"

Ministra da Defesa diz que "a justiça está a trabalhar"

17 ago, 2023 - 13:12 • Teresa Paula Costa , João Pedro Quesado

Helena Carreiras confirmou que está confortável no cargo e disse que tem agido no sentido de prevenir novas situações de corrupção.

A+ / A-

Helena Carreiras considera que a justiça "está a trabalhar" no caso "Tempestade Perfeita". A ministra da Defesa esteve esta quinta-feira na Serra de Montejunto, onde afirmou que tem dado passos para evitar que "situações desse tipo" voltem a ocorrer.

Questionada pelos jornalistas, a responsável pela pasta da Defesa confirmou que está confortável no cargo e disse que "estamos a ver resultados" do funcionamento da justiça, pelo que "devemos ficar tranquilos no sentido em que está a ser feito aquilo que tem que ser feito".

"Compete-me agir no sentido de garantir que não persistem, no presente, situações desse tipo, nem devem voltar a repetir-se no futuro, e foi exatamente isso que fiz", declarou Helena Carreiras na Serra de Montejunto, onde ficou a conhecer os meios de vigilância dos fogos florestais.

A ministra da Defesa pediu o desenvolvimento de "auditorias e assessorias" para "garantir" a prevenção de novos casos de corrupção, estando a ser "desenvolvidos esforços por parte da Inspeção-Geral da Defesa Nacional".

Helena Carreiras disse ainda que pediu ao Tribunal de Contas para realizar inspeções e que está a ser feito um esforço para "ampliar as instâncias de formação para justamente prevenir no futuro e sensibilizar as pessoas para estas matérias", assim como "todo o conjunto de ações que venha a ser necessário em função dos resultados dos processos judiciais".

O Ministério Público acusou 73 arguidos no processo relacionado com adjudicações de obras pela Direção-Geral dos Recursos da Defesa Nacional (DGRDN), entre os quais o ex-diretor Alberto Coelho, por corrupção passiva, branqueamento, peculato e falsificação de documento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+