A+ / A-

JMJ. Mortágua diz que falta de preparação do Governo aumenta custos e diminui transparência

29 jul, 2023 - 13:29 • Lusa

"O Governo não preparou a JMJ", acusa a coordenadora do Bloco de Esquerda.

A+ / A-

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Mariana Mortágua, acusa o Governo de não ter preparado atempadamente a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) o que "agrava" os seus custos e diminuiu a sua transparência.

"Agora falamos de pequenas decisões, mas nós alertamos atempadamente para a falta de preparação para a Jornada Mundial da Juventude, que traria em cima da hora custos mais agravados e muito menor transparência", apontou.

Mariana Mortágua falava este sábado aos jornalistas à margem do painel que foi apresentar aos jovens do BE que se encontram no "Acampamento da Liberdade", até dia 31 de julho, em São Gião, Oliveira do Hospital.

No seu entender, quando os processos "são preparados com tempo é possível haver concursos públicos, é possível preparar as jornadas, é possível preparar a sua segurança".

"O Governo não preparou a JMJ e o que tem feito é, por um lado, ajustes diretos e contratações e decisões financeiras em cima da hora que saem muito mais caras e que são muito menos transparentes", acusou.

Por outro, continuou, o Governo "tem gerido os trabalhadores do Estado, que garantem a segurança das próprias JMJ, sejam eles bombeiros, polícia, médicos, empresas de transporte com maior autoritarismo".

Ou seja, continuou, "impedindo-os de tirar férias, deslocando-os contra a sua vontade de uma parte do país para a outra" e, por isso, afirmou que o BE tem "criticado esta forma de gerir a organização" das JMJ.

"E tudo isto deriva do mesmo problema: falta de preparação do Governo", acusou.

Ainda assim, Mariana Mortágua defendeu que "até prova em contrário, é assumir que estão garantidas todas as condições de segurança" para a realização das JMJ, que decorrem em Lisboa até dia 06 de agosto.

Mariana Mortágua lembrou que num dos últimos encontros com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lhe transmitiu "esta preocupação" de "saber se há recursos suficientes" para as JMJ e "para garantir a proteção de todo o país".

Isto, "num período que é sempre particular, não só pelo risco de incêndios, mas também de grande pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

"A resposta do Governo é que todos esses riscos estão acautelados e cabe-nos a nós ter tranquilidade e acreditar essa resposta e não ter uma atitude alarmista, acho que não é responsável fazer de outra forma", assumiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+