Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Migrantes clandestinos. Chega quer ouvir MAI com urgência sobre operação da PJ

17 jul, 2023 - 17:19 • Lusa

Presidente do Chega quer ouvir com urgência o ministro da Administração Interna no Parlamento.

A+ / A-

O presidente do Chega quer ouvir com urgência o ministro da Administração Interna no Parlamento sobre uma operação que a Polícia Judiciária (PJ) está esta segunda-feira a realizar em Lisboa sobre uma alegada rede de migração clandestina.

"Vamos propor chamar de urgência o senhor ministro da Administração Interna para prestar os esclarecimentos que devem ser prestados ao dia de hoje numa operação que envergonha Portugal, que nos responsabiliza perante os nossos parceiros e nos mostra como fracos, desleixados e irresponsáveis no combate à imigração ilegal", afirmou André Ventura em conferência de imprensa na sede nacional do partido, em Lisboa.

O líder do Chega reagia a uma operação liderada pela PJ, que conta com o apoio do SEF e da ASAE, para pôr termo a uma alegada rede que auxiliava a migração clandestina.

Vários órgãos de comunicação social noticiaram hoje que está a decorrer uma megaoperação com o objetivo de desmantelar uma associação criminosa que terá criado um esquema que se baseava na utilização indevida do Sistema Automático de Pré-Agendamento (SAPA) do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

"Nós vamos pedir que seja ouvido de urgência ainda esta semana ou, no limite, na próxima", disse Ventura.

Classificando a operação da PJ em curso "particularmente grave não só a nível interno como a nível europeu", o presidente do Chega garantiu que se o ministro da Administração Interna não for ouvido será "confrontado com toda a clareza" no debate do estado da nação, na quinta-feira.

Contudo, André Ventura referiu que pela especificidade e complexidade do tema em questão era mais útil e proveitoso para o país que a discussão fosse feita em comissão.

Para o líder do partido, a operação responsabiliza essencialmente Portugal por se ter tornado "num centro de importação e distribuição de imigração ilegal, numa verdadeira fábrica de legalização de migrantes".

"Avisámos vezes sem fim de que isto um dia aconteceria. Esta não é uma questão de ser pró ou contra a imigração, esta é uma questão de lei e de cumprimento da lei e de não permitir que as máfias e o tráfico de seres humanos vivam impunemente à custa do sofrimento de pessoas que vêm de países muito pobres e que encontram na Europa a sua única esperança", concluiu.

"É uma operação liderada pela PJ, em que o SEF está a cooperar e é uma operação que conta também com autoridades europeias, para pôr termo a práticas que podem configurar ilícitos criminais que vinham sendo objeto de uma investigação que tinha algum tempo de decurso e que agora se encontra em fase de desenvolvimento", disse o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, que falava aos jornalistas após participar na inauguração do Centro Municipal de Proteção Civil de Tábua, no distrito de Coimbra.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • sara
    17 jul, 2023 lisboa 21:56
    só quem não anda no terreno, lisboa, almada e arredores, acha que isto é de agora, mas não, depois da pandemia, houve outra pandemia, não se esqueçam de ver as mercearias e ditos supermercados, servem também para dormitório de muitas pessoas, podem começar em almada....

Destaques V+