Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Eventual ida de Costa para UE é 'fait diver' para desviar atenções, diz Montenegro

29 jun, 2023 - 12:24 • Lusa

Primeiro-ministro mantém que não vai aceitar qualquer missão que coloque em causa a estabilidade do país.

A+ / A-

O presidente do PSD, Luís Montenegro, considerou esta quinta-feira que a possibilidade de o primeiro-ministro, António Costa, ser candidato a um cargo europeu é um 'fait diver' para desviar as atenções dos verdadeiros problemas do país.

“Eu aqui não ouço nada a esse propósito, creio que é um 'fait diver' que dá muito jeito a António Costa”, disse Luís Montenegro, em declarações aos jornalistas no final de uma reunião do Partido Popular Europeu (PPE), em Bruxelas.

Na opinião do presidente social-democrata, a questão, levantada no final da semana passada, vai “entretendo com aquilo que se diz na praça pública e escondendo a falta de médicos nos centros de saúde, a falta de professores nas escolas, o recorde de carga fiscal que a cada mês” os portugueses acumulam.

António Costa “impõe um sacrifício que é excessivo até para cumprir um montante de receita fiscal e contributiva que já era o maior de sempre”, completou Luís Montenegro.

No início desta semana, António Costa disse que não estava disponível para vir a ocupar qualquer cargo nas instituições da União Europeia, depois das eleições de junho de 2024, em resposta a uma notícia do Público que referia que o primeiro-ministro poderia ir para o Conselho Europeu.

António Costa explicou que não vai aceitar qualquer missão que coloque em causa a estabilidade do país.

“Eu sou o garante da estabilidade. Já expliquei a todos que não aceitarei uma missão que ponha em causa a estabilidade em Portugal. Alguma vez eu poria em causa a estabilidade que tão dificilmente conquistei?”, questionou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+