Tempo
|
A+ / A-

Governo. António Costa diz que mandato é para cumprir

26 jun, 2023 - 07:12 • Susana Madureira Martins com Redação

Primeiro-ministro responde a Marcelo e diz que o mandato completo de uma legislatura é de quatro anos.

A+ / A-

Com o Presidente da República a acenar de novo com o fantasma de uma interrupção da legislatura, caso António Costa aceite um cargo europeu, o primeiro-Ministro e líder do PS deixa a garantia de que o mandato de quatro anos é para cumprir.

"Quando vamos a eleições apresentamos um programa, um programa para um mandato completo, um programa para quatro anos. E esse programa é o nosso compromisso. E o nosso dever é, naturalmente, cumprir com aquilo que nos comprometemos com cada uma e com cada um dos portugueses", assegura Costa.

O primeiro-ministro e líder do Partido Socialista falou na abertura das jornadas parlamentares dos socialistas, no Funchal. No discurso, António Costa atacou ainda a política fiscal do PSD, a quem acusa de nunca ter dado prioridade à redução do IRS. Garante que quem sempre quis baixar o IRS foi o PS e que o guru económico de Luís Montenegro até é o mesmo de Rui Rio.

"O líder parlamentar do PPD PSD na Assembleia da República, o homem que era contra a redução do IRS, o homem que queria o aumento do IVA da restauração e o homem que sempre tem uma visão económica errada sobre o futuro do país", acrescenta.

Costa acusa as oposições de manterem o foco nos casos e nos casinhos. Para o PS, diz, o foco é cumprir as metas para 2026, sempre com contas certas.

Brilhante Dias diz que "não é uma surpresa"

O líder do grupo parlamentar do PS afirmou que “não é uma surpresa” o facto de o primeiro-ministro, António Costa, ter dito que não está disponível para ocupar qualquer cargo na União Europeia, depois das eleições europeias de 2024.

“O que o senhor primeiro-ministro faz, mais uma vez, é estabilidade para continuar as políticas e para obter os bons resultados que temos tido e, por isso, não é para nós uma surpresa”, disse Eurico Brilhante Dias.

O líder do grupo parlamentar socialista falava à margem de uma visita às obras do novo Hospital Central e Universitário da Madeira, no Funchal, num comentário à notícia divulgada hoje pelo jornal Público de que António Costa não está disponível para vir a ocupar qualquer cargo na União Europeia, depois das eleições de junho de 2024.

Numa resposta ao jornal, em reação à notícia de que Bruxelas vai pressionar o primeiro-ministro português a ir para o Conselho Europeu, António Costa explicou que não aceitará qualquer missão que ponha em causa a estabilidade do país.

“Não é uma surpresa”, reiterou Eurico Brilhante Dias, sublinhando que “o PS e em particular o senhor primeiro-ministro sempre foram a estabilidade e a continuidade políticas”.

“Aliás, vimos isso como a confirmação de algo que é evidente. Temos um projeto político sufragado pelos portugueses para chegar a 2026, para concretizar os projetos e o programa do Partido Socialista, que hoje é Governo, até 2026, e é isso que estamos a fazer, aqui também na Madeira”, reforçou.

O Público escreve que a indisponibilidade do primeiro-ministro para ocupar cargos europeus se prende “com a sua preocupação em não criar crises políticas em Portugal”.

O jornal acrescenta ainda outros fatores, entre eles a ideia de que António Costa “está 100% focado em cumprir o mandato de primeiro-ministro até ao final da legislatura, que termina após as legislativas de setembro ou outubro de 2026, e em levar a cabo os objetivos a que se propõe, nomeadamente a estabilização orçamental portuguesa”.

Na Madeira, onde se encontra no âmbito das jornadas parlamentares do PS, que decorrem na região autónoma até terça-feira, Eurico Brilhante Dias realçou que “a estabilidade [do Governo] está muito relacionada com o senhor primeiro-ministro”, vincando, no entanto, que “todos os governos têm fases diferentes”.

[atualizado às 14h52]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    27 jun, 2023 Trofa 07:08
    Enquanto houver o PRR, ele mantem-se por cá.
  • Cidadao
    26 jun, 2023 Lisboa 11:41
    A sorte de António Costa e do PS, é Montenegro estar a revelar-se mais um erro de casting do PSD ... Há quem tente puxar por ele, mas é cada vez mais evidente que Luís Montenegro não dá mais que "isto". E "isto" ... Não é suficiente.
  • Anastácio José Marti
    26 jun, 2023 Lisboa 07:47
    Num país onde paira a instabilidade permanente, veja-se quantos crimes são cometidos por dia que se conheçam, fora os que não vêm a público, num país onde a Justiça é inoperante e não funciona, uma Administração Pública totalmente politizada com serviços de fachada, quando mais de metade da população a ser empurrada para a pobreza e miséria com aumentos anuais abaixo da inflação, ano após ano, como pode alguém responsável afirmar ser o garante da estabilidade num país que assim finge funcionar, onde a riqueza criada nunca foi equitativamente distribuída, o que se verifica desde que existam aumentos com base na percentagem,.onde quem ganha muito muito leva e quem ganha pouco pouco ou nada leva aumentando assim as disparidades entre ricos e pobres, para onde caminha um país e um povo assim ficticiamente governado?

Destaques V+