Tempo
|
A+ / A-

Comissão de inquérito

Medina contraria ex-CEO da TAP: Ourmières-Widener foi informada da exoneração por justa causa

16 jun, 2023 - 14:21 • Lusa

Segundo Ourmières-Widener, foi-lhe dito que “havia uma conferência, mas nunca lhe foi explicada a natureza” da conversa, que serviu para a despedir.

A+ / A-

O ministro das Finanças garantiu esta sexta-feira que a ex-presidente executiva da TAP soube que ia ser exonerada por justa causa no dia 5 de março, véspera do anúncio público em conferência de imprensa, contrariando a versão da gestora.

“Estou a transmitir o relato fiel, verdadeiro, integral do que foi o âmbito da conversa no domingo [05 de março], uma reunião formal para lhe comunicar que, recebido o relatório da IGF e ponderadas as suas conclusões, a demissão da engenheira Christine e do presidente do Conselho de Administração – [com Manuel Beja] essa conversa foi com o ministro das Infraestruturas - não seria possível a sua continuidade e que eu iria propor o início do processo relativamente à sua demissão com justa causa”, afirmou Fernando Medina, na comissão parlamentar de inquérito à TAP.

Estas afirmações do ministro contrariam as declarações da ex-presidente executiva da companhia aérea, Christine Ourmières-Widener, na sua audição na comissão de inquérito, em abril, onde disse ter tido uma reunião com Fernando Medina na véspera do anúncio da sua demissão, mas que em nenhum momento foi informada de que seria demitida com justa causa, apenas de que a “situação estava complicada”.

“Eu tive uma reunião com o ministro das Finanças no domingo à noite antes da conferência de imprensa e durante essa discussão ele expressou que a situação estava complicada, mas ele não me deu a informação que seria demitida com justa causa no dia seguinte”, respondeu então a ex-CEO, depois de consultar por breves momentos os dois advogados que a acompanharam.

Segundo Ourmières-Widener, foi-lhe dito que “havia uma conferência, mas nunca lhe foi explicada a natureza do que aconteceu no dia seguinte”.

A ex-CEO disse também que teve uma curta reunião de 10 ou 15 minutos com o ministro das Infraestruturas, João Galamba, na manhã da conferência de imprensa, a pedido da presidente executiva da companhia aérea.

“Não sabia da justa causa, de todo, antes da conferência de imprensa. Estava apenas à espera de ser demitida”, disse então Ourmières-Widener.

Questionado hoje pelo deputado do BE Pedro Filipe Soares se era “impossível” a ex-CEO ter sido surpreendida com um telefonema de João Galamba no dia 06 de março sobre este tema, Medina sublinhou que tinha sido “transmitida à engenheira Christine de forma precisa e rigorosa” a decisão, na véspera.

“Consciente que esta decisão - inevitável face às conclusões da IGF - teria danos reputacionais na sua carreira, propus à engenheira Christine que estaria na disposição de, se ela tivesse esse entendimento, aceitar a sua demissão”, realçou Fernando Medina, num ato que classificou de “proteção” face a uma situação que entendeu que podia ser mais danosa para a gestora.

O ministro das Finanças admitiu que preferia não ter de tomar aquela decisão, “mas, em consciência, não podia tomar outra”.

A ex-presidente executiva da TAP contestou o despedimento e acusou o Governo de ter tido “pressa política” para a demitir, segundo a contestação da defesa, citada pela TVI/CNN.

O Governo anunciou, em 06 de março, que a Inspeção-Geral de Finanças (IGF) tinha concluído que o acordo celebrado para a saída antecipada de Alexandra Reis da TAP era nulo e que ia pedir a restituição dos valores, bem como a exoneração por justa causa dos responsáveis da companhia.

Em dezembro, Alexandra Reis tomou posse como secretária de Estado do Tesouro, tendo então estalado a polémica sobre a indemnização de 500 mil euros que recebeu quando saiu da companhia aérea detida pelo Estado, levando a uma remodelação no Governo, incluindo a saída de Pedro Nuno Santos, que foi substituído por João Galamba.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+