A+ / A-

Marcelo não vê "problema político específico" na escala de Costa na Hungria

17 jun, 2023 - 21:07

O chefe de Estado português falava, em declarações à RTP1, em Belém, antes de assistir ao jogo da seleção de Portugal, que hoje defronta a Bósnia-Herzegovina, no Estádio da Luz, em Lisboa.

A+ / A-

O Presidente da República disse hoje não ver qualquer "problema político específico" na escala do primeiro-ministro na Hungria, onde assistiu a um jogo de futebol com Viktor Orbán, sublinhando que os dois países são aliados na União Europeia.

"A Hungria é um estado da União Europeia (UE). [Viktor Orbán] é um primeiro-ministro da União Europeia. Podemos concordar ou discordar dele nas migrações, na política económica e social e em muita coisa, mas faz parte do grupo de países que são nossos aliados naturais na UE", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Em 31 de maio, António Costa, que viajava num Falcon 50 da Força Aérea, fez uma escala em Budapeste quando seguia a caminho da Moldova para a cimeira da Comunidade Política Europeia, sem que a paragem constasse da sua agenda pública, segundo noticiou o Observador.

De acordo com o mesmo jornal, o chefe do Governo português assistiu ao jogo da final da Liga Europa de futebol entre o Sevilha e a Roma, equipa italiana orientada por José Mourinho, ao lado do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán.

A paragem na Hungria foi criticada pela oposição, que reclama esclarecimentos de António Costa.

A agência Lusa questionou o gabinete do primeiro-ministro sobre este assunto, mas não obteve resposta até ao momento.

"O facto de no caminho ter feito uma escala ou ter parado durante uma hora e meia ou duas horas para dar apoio a um português e ver um jogo de futebol, francamente não vejo que politicamente haja qualquer problema específico", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Na sexta-feira, o Presidente da República tinha já adiantado que o primeiro-ministro o tinha informado da escala em Budapeste.

Hoje, questionado sobre se a paragem não deveria constar da agenda pública do primeiro-ministro, Marcelo Rebelo de Sousa remeteu a pergunta para António Costa, mas mostrou-se convencido de que se tratou de uma decisão de "última hora".

"Acho que decidiu à ultima hora. Veio a uma audiência e saiu diretamente para a Moldova. Tenho impressão que lhe deve ter ocorrido que calhava no caminho, era preciso fazer uma escala técnica e aproveitou para ver o futebol", sublinhou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mário Rui Simões Rod
    18 jun, 2023 Leiria 00:45
    COMO ACHO O CONTRÁRIO, FIZ ISTO: Exma. Senhora Procuradora-Geral da República Venho perante V.ª Ex.ª, muito respeitosamente, perguntar se a escala do sr. primeiro-ministro António Costa, em Budapeste, na Hungria, usando um avião do Estado, é susceptível de configurar o crime de peculato de uso, nos termos do Artigo 376.º do Código Penal Português. Se a resposta for afirmativa, requeiro a V.ª Ex.ª que me informe que diligências tomou o Ministério Público visando, neste caso concreto, o respeito pela lei criminal portuguesa, e consequentemente o respeito do Estado de Direito. Com os melhores cumprimentos Mário Rui Simões Rodrigues Cidadão Português com o BI 80...

Destaques V+