Tempo
|
A+ / A-

Comissão de inquérito à TAP

Suspeita de interferência no relatório da IGF é "injusta" e "insultuosa", diz Medina

16 jun, 2023 - 14:26 • Lusa

Ministro das Finanças garante que houve "total autonomia da Inspeção-Geral das Finanças" no relatório que conduziria à exoneração dos presidentes da TAP.

A+ / A-

O ministro das Finanças considerou esta sexta-feira injusta e insultuosa a suspeição da existência de instruções à Inspeção-Geral de Finanças (IGF) sobre o relatório que deu origem à demissão dos presidentes da TAP, assegurando que não houve qualquer “interferência política”.

Na audição que decorre hoje na comissão parlamentar do inquérito à TAP, o deputado do PS Bruno Aragão questionou Fernando Medina sobre se foi dada alguma instrução pelo Ministério das Finanças à IGF relativamente à forma de instruir o processo que deu origem ao relatório sobre a indemnização de 500 mil euros pagos à antiga administradora da TAP Alexandra Reis.

O ministro das Finanças assegurou que não foi dada qualquer instrução em “nenhuma circunstância”.

Questionado se considerava comum o lançamento desta suspeição, Fernando Medina assumiu que infelizmente isso não o surpreendia devido ao atual “ataque ao prestígio das instituições, sejam elas quais forem”.

“É profundamente injusto, insultuoso para quem trabalha na administração pública portuguesa. É particularmente injusto para com uma instituição como a IGF, uma das mais prestigiadas da administração pública portuguesa”, lamentou, destacando as provas que esta instituição tem dado “nas situações mais difíceis”.

Segundo o ministro das Finanças, não houve “qualquer sentido de orientação, de interferência política”.

“Só posso reafirmar aqui aquilo que foi a total autonomia da IGF no desempenho das suas funções, o brio com que o fizeram”, enfatizou, louvando a “grande qualidade do trabalho que realizaram”.

Anteriormente, questionado pelo deputado do BE Pedro Filipe Soares, defendeu que o relatório final da IGF “não levanta nenhuma ambiguidade”, sendo “a base única para o início do processo de demissão do presidente do conselho de administração e da presidente executiva”

“É único porque é totalmente suficiente. Não há necessidade de um parecer adicional. O que o relatório exige é uma decisão política”, enfatizou, sublinhando que houve um “pagamento ilegal” de 500 mil euros a Alexandra Reis.

Fernando Medina lamentou que “ao longo do trabalho desta comissão tenha havido uma tentativa de desvalorização” deste relatório.

“Algum senhor deputado chega a uma conclusão diferente? No juízo que fiz, e o ministro das Infraestruturas também fez obviamente, chegámos à conclusão que o caminho era único e que a solidez do trabalho que tinha sido feito [pela IGF] era base totalmente suficiente”, questionou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    16 jun, 2023 Leiria 14:20
    Pois, nem contraditório houve. Problema de "lingua" ..........................Enfim

Destaques V+