Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Caso Galamba

PS chumba comissão de inquérito à atuação das secretas proposta por Chega e IL

16 jun, 2023 - 13:40 • Lusa

O PSD, que impôs disciplina de voto, votou a favor das duas propostas, mas houve uma dezena de declarações de voto escritas na bancada.

A+ / A-

O Parlamento chumbou esta sexta-feira propostas do Chega e da IL para constituir uma comissão parlamentar de inquérito à atuação das secretas, com votos contra da bancada do PS.

O PSD votou a favor das duas propostas, tal como o BE e os partidos proponentes, mas foram anunciadas uma dezena de declarações de voto escritas na bancada social-democrata, em que existiu disciplina de voto.

O PCP absteve-se nas duas propostas, enquanto o PAN votou a favor da iniciativa da IL e absteve-se na do Chega. Já o Livre absteve-se na da IL e votou contra a do Chega.

Na bancada do PSD anunciaram declarações de voto os deputados André Coelho Lima, Carlos Eduardo Reis, José Silvano, Fernando Negrão, Tiago Moreira de Sá, António Prôa, António Maló de Abreu, António Topa Gomes, João Dias Coelho e Maria Emília Apolinário.

Esta sexta-feira de manhã, o líder parlamentar social-democrata, Joaquim Miranda Sarmento, enviou um email aos deputados, em que reiterava que a posição do PSD era "de voto favorável" nas iniciativas do Chega e da IL, e recusava qualquer exceção à disciplina de voto.

"O reduto de liberdade individual de cada deputado é expresso, nesta matéria política, com uma declaração de voto", acrescentava, no mail a que a Lusa teve acesso.

Em causa está a intervenção do Serviço de Informações de Segurança (SIS) na recuperação do computador de serviço de Frederico Pinheiro, ex-adjunto do ministro das Infraestruturas João Galamba.

Na sua proposta, apresentada em maio, a IL defendia ser necessária a criação de um inquérito à intervenção das "secretas" para "apurar as responsabilidades políticas, legais ou de outra ordem relativas à atuação do SIS na presente legislatura".

A IL queria esclarecer as questões relativas ao "contacto ao SIS por parte do Ministério das Infraestruturas" na noite de 26 de abril, as "eventuais orientações, diretivas ou ordens emitidas" que deram origem à sua atuação, assim como "a prática do atual Governo para os com os serviços de informações".

Já o Chega queria abordar, além do SIS, a atuação do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP), em particular, "avaliar a legalidade e a responsabilidade política associada a todo o processo relativo à recuperação do portátil".

O partido queria também perceber se a atuação na noite do dia 26 de abril foi "um caso pontual ou se, por outro lado, terão existido outras situações de interferência política" e "recurso indevido" do SIS e do SIRP desde o primeiro Governado liderado por António Costa, em 2015.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+