Tempo
|
A+ / A-

TAP

Pedro Nuno Santos: "Nunca senti falta de solidariedade do primeiro-ministro"

15 jun, 2023 - 21:19 • Lusa

O antigo governante reiterou que a decisão de se demitir na sequência da polémica indemnização de 500.00 euros paga à ex-administradora da TAP Alexandra Reis foi sua: "Quando decidi demitir-me, demiti-me".

A+ / A-

O ex-ministro Pedro Nuno Santos assegurou hoje que nunca sentiu falta de solidariedade do primeiro-ministro, António Costa, e que o pedido de demissão foi decisão sua.

Durante a audição na comissão parlamentar de inquérito à TAP, Pedro Filipe Soares questionou o antigo ministro das Infraestruturas e da Habitação sobre o email do seu antigo secretário de Estado Hugo Mendes sobre uma alteração de um voo do Presidente da República e que mereceu duras críticas do primeiro-ministro, António Costa.

"Eu tinha e tenho uma boa relação com o primeiro-ministro. Vou sempre vendo muitas leituras (...) Nunca senti falta de solidariedade do primeiro-ministro", assegurou Pedro Nuno Santos. .

O antigo governante reiterou que a decisão de se demitir na sequência da polémica indemnização de 500.00 euros paga à ex-administradora da TAP Alexandra Reis foi sua: "Quando decidi demitir-me, demiti-me".

Sobre o e-mail de Hugo Mendes, Pedro Nuno Santos partilhou que "foi infeliz", tal como disse na véspera o seu antigo secretário de Estado na mesma comissão de inquérito, mas sublinhou que "Hugo Mendes é muito mais do que aquele email" e que este "não o define".

Mais à frente, e apesar de a resposta ser ao deputado do PS Hugo Carvalho, o antigo governante voltou a falar para Pedro Filipe Soares e, numa alusão à geringonça, atirou: "foi bom enquanto durou".

Com os apartes dos partidos da direita, Pedro Nuno Santos foi mais longe: "correu bem para o país e para o povo português. A memória que os portugueses têm desses quatro anos foi uma memória boa".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+