Tempo
|
A+ / A-

TAP

Pedro Nuno Santos considera que resultados positivos devem refletir-se numa reversão mais rápida dos cortes salariais

15 jun, 2023 - 20:41 • Lusa

Já questionado por André Ventura, do Chega, sobre os incidentes no Ministério das Infraestruturas, em 26 de abril, que envolveram Frederico Pinheiro, Pedro Nuno Santos recusou-se a emitir uma opinião.

A+ / A-

O ex-ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, defendeu esta quinta-feira que os resultados positivos apresentados pela TAP devem refletir-se numa reversão mais rápida dos cortes salariais aos trabalhadores, que foram alvo de "sacrifícios muito intensos" com o plano de reestruturação.

"Acho que, obviamente, parte do sucesso da TAP deve ser canalizado para quem, na realidade, foi alvo de sacrifícios muito intensos nos últimos anos, que foram os trabalhadores. Estes resultados que apresento politicamente são resultado do trabalho da administração e dos trabalhadores da TAP, e com muito sacrifício pessoal e familiar", respondeu Pedro Nuno Santos ao deputado do PCP Bruno Dias, na comissão de inquérito à companhia aérea que, às 20:00, já levava seis horas de duração.

O ex-ministro defendeu que os resultados positivos da TAP devem refletir-se "numa reversão mais rápida" dos cortes salariais e que "esse caminho devia poder começar a ser feito".

"Estes resultados são também dos trabalhadores", realçou.

Já o deputado do PSD Paulo Moniz questionou o ex-governante sobre um email da ex-CEO da TAP para os ex-secretários de Estado Hugo Mendes e Miguel Cruz, onde é dito que teria anuído ao cumprimento de objetivos dos primeiros seis meses em funções e que, por isso, não estava em causa o bónus da então presidente executiva.

Pedro Nuno Santos respondeu que se tinha tratado de uma "conversa informal" com Christine Ourmières-Widener, da qual não é possível tirar qualquer conclusão sobre atribuição de bónus, mas confirmou que estava satisfeito com os resultados alcançados naquele período.

Paulo Moniz questionou também se o ex-ministro tinha falado com a sua ex-chefe de gabinete, Maria Antónia Araújo, antes das suas audições na comissão de inquérito.

"Eu sei qual é a diferença entre uma CPI e um tribunal, eu sei qual é a diferença entre um deputado e um juiz. [...] Ou o senhor deputado evolui na sua posição e defende que as pessoas que vêm à CPI não podem falar entre si, ou esta questão, na minha opinião, se me é permitida, diminui a própria CPI", respondeu Pedro Nuno Santos, acrescentando que a troca de impressões com pessoas com quem trabalhou contribuem para as respostas a dar aos deputados.

Paulo Moniz questionou também se, enquanto foi ministro, o plano de reestruturação da TAP estava apenas no computador de Frederico Pinheiro. "No meu tempo não estava só no do doutor Frederico Pinheiro".

Já questionado por André Ventura, do Chega, sobre os incidentes no Ministério das Infraestruturas, em 26 de abril, que envolveram Frederico Pinheiro, Pedro Nuno Santos recusou-se a emitir uma opinião.

"A única coisa que posso dizer é de que eu não tomo lados sobre episódios que não presenciei", concluiu.

Mais à frente, o ex-ministro esclareceu ao deputado Bernardo Blanco, da IL, que Frederico Pinheiro não lhe pediu ajuda e que quis apenas perceber o que se tinha passado, não tendo falado com mais ninguém sobre a questão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+