Tempo
|
A+ / A-

PSD acusa Governo de falta de diálogo com os advogados

11 jun, 2023 - 14:54 • Lusa

Para o vice-presidente do PSD é "inexplicável" e "incompreensível" a alegada aceleração do processo legislativo antes das férias parlamentares.

A+ / A-

O vice-presidente do PSD Paulo Cunha acusou, este domingo, o Governo de falta de diálogo com os advogados, considerando "legítimas" as reivindicações daquela classe profissional.

"A anunciada greve dos advogados é, tão só, o último momento de um longo caminho marcado pela incapacidade de o Governo corresponder aos anseios dos mais diversos setores sociais", disse hoje Paulo Cunha no Porto, na sede distrital do PSD.

Na quinta-feira, a Ordem dos Advogados anunciou que vai lutar e utilizar "todos os meios ao dispor", nomeadamente "parar a justiça", para protestar contra a proposta do Governo de alteração aos estatutos, que considera violar os princípios do Estado de direito.

O responsável do PSD considerou "legítimas as reivindicações dos advogados, que além da progressiva dificuldade de acesso à profissão e de um regime de previdência que os onera de forma injusta, são agora objeto de desrespeito governamental na organização e exercício da sua atividade".

"Já não restam dúvidas sobre a manifesta incapacidade do Governo de dialogar com os mais diversos setores sociais", disse Paulo Cunha aos jornalistas, frisando a necessidade de se "pacificar a relação entre o Estado e os diferentes prestadores de serviços públicos".

O também presidente da distrital de Braga do PSD considerou importante fugir "ao habitual recurso a expedientes como os serviços mínimos, a declaração de ilegalidade de ações grevistas, ou a própria requisição civil".

Para Paulo Cunha, o Governo "impõe soluções aos mais diversos setores sociais, sem que previamente desenvolva diligências de concertação".

O vice-presidente do PSD classificou ainda de "inexplicável" e "incompreensível" a alegada aceleração do processo legislativo antes das férias parlamentares, visando alterar o ordenamento jurídico das ordens profissionais, na origem da contestação dos advogados.

Na terça-feira, mais de 2.200 advogados, reunidos em assembleia geral extraordinária, mandataram a OA e a bastonária, Fernanda de Almeida Pinheiro, para adotar medidas e "fazer parar a justiça" se a proposta do Governo de alteração aos estatutos não respeitar os princípios da profissão. .

A proposta de alteração ao estatuto da Ordem dos Advogados, em conjunto com os estatutos das demais ordens, chegou à OA na quarta-feira por volta das 23:00 com prazo de resposta de 48 horas úteis, ou seja, até ao dia 13 de junho, dia feriado em Lisboa (cidade onde se situa a sede da OA e o Ministério da Justiça).

Fernanda de Almeida Pinheiro considerou esta proposta "inaceitável", que pretende afastar os cidadãos da justiça, não podendo a OA "nunca compactuar com uma situação destas", criticando ainda a hora em que o MJ enviou a proposta, sustentando que demonstra "a falta total de respeito pela instituição e pela advocacia portuguesa". .

"Aproveitaram o momento que é tradição em Lisboa de maior descanso para propor algo desta dimensão a todas as ordens profissionais", referiu, acrescentando que o documento "reflete tudo aquilo que a OA disse que eram as linhas vermelhas". .

Segundo a OA, a proposta do MJ permite que organismos públicos, nomeadamente municípios, juntas de freguesia, associações, organizações não-governamentais, funcionários públicos, empresas e não licenciados em direito possam prestar consulta jurídica sobre todas as matérias, sem qualquer supervisão por entidade externa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+