Tempo
|
A+ / A-

TAP: Ex-ministro acusa Pinto Luz de assinar carta gravosa para o Estado

31 mai, 2023 - 17:28 • Manuela Pires , com redação

Pedro Marques critica carta de conforto. Diz que era prejudicial, uma vez que a privatização foi feita de tal forma que 100% dos lucros eram para o privado, mas 100% do risco era para o Estado.

A+ / A-

Pedro Marques, antigo ministro das Infraestruturas, reafirma que Miguel Pinto Luz, que foi secretário de Estado no governo de Passos Coelho, que durou 27 dias, assinou o documento onde a Parpública pede autorização para enviar a carta de conforto aos bancos credores da TAP na privatização de 2015.

O documento tem a data de 12 de novembro daquele ano e a assinatura do atual vice-presidente do PSD.

“No documento em que a Parpública pede autorização para enviar aos bancos a carta de conforto, vê-se bem a assinatura dos dois ex-secretários de Estado: Miguel Pinto Luz, que escreve ‘autorizo’ e depois assina, em cima de um despacho da secretária de Estado do Tesouro”, declarou Pedro Marques, esta quinta-feira, na comissão parlamentar de inquérito (CPI) à gestão da TAP.

“Foi certamente o ato mais importante e grave que [Miguel Pinto Luz] realizou nesses dias”, salientou o antigo ministro das Infraestruturas.

Pedro Marques voltou a criticar o documento. Diz que era gravoso para o Estado, uma vez que a privatização foi feita de tal forma que 100% dos lucros eram para o privado, mas 100% do risco era para o Estado.

A carta de conforto podia ser anulada, se fosse considerada como uma ajuda de Estado, referiu.

“Poderia ter consequências desastrosas para o Estado e, do no ponto de vista do Governo que integrei, podia ser classificada pelas autoridades competentes como uma ajuda de Estado, não adequada face às regras de concorrência europeias, e por isso poderia levar a uma anulação rápida da operação naqueles termos ou ao decretar de uma reestruturação da TAP”, sublinha Pedro Marques.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    01 jun, 2023 Trofa 07:06
    Este está metido, foi o que roubou o dinheiro aos Portugueses, não esqueçam o valor que o estado meteu na privatização e depois , ainda mais dinheiro para tapar o buraco na TAP

Destaques V+