A+ / A-

Caso Galamba

Costa não vê qualquer tipo de ilegalidade na atuação do SIS

24 mai, 2023 - 16:26 • Lusa

Primeiro-ministro foi questionado no Parlamento sobre qual foi "a base legal" para a atuação do SIS para recuperar computador do ex-adjunto do Ministério das Infraestruturas.

A+ / A-

O primeiro-ministro disse hoje não ver qualquer tipo de ilegalidade na atuação do SIS na recuperação do computador do ex-adjunto do ministro João Galamba, assegurando que nenhum membro do Governo deu qualquer instrução ou orientação para a ação daquele serviço.

No debate com o Governo sobre política geral, o último enquanto líder do BE, Catarina Martins questionou António Costa, mais do que uma vez, sobre qual foi "a base legal" para a atuação do SIS na noite de 26 de abril no caso que envolve um ex-adjunto do Ministério das Infraestruturas. .

Na resposta, o primeiro-ministro considerou que as "questões estão bastante claras" e reiterou que se tratou do desaparecimento de documentos classificados, afirmando não ver "qualquer tipo de ilegalidade" na atuação do SIS.

"Nenhum membro do Governo, direta ou indiretamente, deu qualquer instrução, ordem ou orientação ao SIS para proceder a essa ação", reiterou, mais à frente, perante a insistência de Catarina Martins.

A líder bloquista referiu que "olhando para a lei que enquadra o funcionamento do SIS", não encontra "nenhuma base legal para a atuação" deste serviço naquela noite, referindo que o SIS "trata informação" e apenas "comunica às entidades competentes para a investigação criminal e para o exercício da ação penal, os factos que forem configuráveis como ilícitos criminais".

"O SIS até pode pedir à policia para atuar, mas o SIS não é polícia. Como é que o SIS telefona a meio da noite a um cidadão e vai buscar-lhe um computador?", perguntou Catarina Martins.

Na resposta, o primeiro-ministro referiu que a entidade a quem compete fiscalizar a atuação dos serviços "pediu informação, ouviu os responsáveis e por unanimidade concluiu que não havia indícios de ilegalidade".

"O meu entendimento é que os serviços agiram corretamente para prevenir um risco para a segurança nacional. Não desenvolveram nenhuma atividade policial, ligaram para um número conhecido, para uma pessoa que atendeu livremente e que no dia 28 de abril declarou ao Expresso que tinha entregue de livre vontade o computador", considerou Costa, sublinhando que o SIS "fez bem em recuperar um computador que tinha documentos classificados".

Para Catarina Martins, o que está em causa "é o estado de direito, sim, porque o SIS agiu à margem das atribuições da lei".

"Todo o problema reside no facto de haver uma suspeita de que o Governo terá instrumentalizado poderes do Estado para resolver problemas próprios até do PS", apontou a bloquista, acrescentando que "defende-se o SIS defendendo o estado de direito".

Na reta final desta primeira ronda, a coordenadora do BE referiu que João Galamba "é tóxico" sendo por isso "extraordinário que ainda seja ministro".

"Espero bem que o Governo não se prepare para privatizar a TAP à pressa para se libertar de um embaraço político. A TAP perde valor a cada dia que passa com toda a esta confusão. O Bloco de Esquerda é contra a privatização, mas o que seria indesculpável, pense o que se pense sobre essa matéria, é que o Governo para se libertar do embaraço político fizesse o negócio mais ruinoso que este país pode fazer", alertou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    25 mai, 2023 Lisboa 18:41
    Ele não vê ilegalidades e nós não vemos o dia em que haja eleições Legislativas para podermos corrigir um dos maiores erros cometidos, que foi dar Maioria Absoluta a esta trupe PS ...

Destaques V+